Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
118 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 56132 )
Cartas ( 21113)
Contos (12445)
Cordel (9802)
Crônicas (21707)
Discursos (3120)
Ensaios - (9953)
Erótico (13192)
Frases (41223)
Humor (17643)
Infantil (3599)
Infanto Juvenil (2327)
Letras de Música (5440)
Peça de Teatro (1311)
Poesias (136703)
Redação (2885)
Roteiro de Filme ou Novela (1048)
Teses / Monologos (2379)
Textos Jurídicos (1914)
Textos Religiosos/Sermões (4462)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Infantil-->Histórias de Sara e do dentinho que se distraía -- 22/01/2004 - 21:13 (MARIA PETRONILHO) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
Histórias de Sara e do dentinho que se distraía

(inspirado na crónica de Raymundo Silveira "Você Já Distraiu Um Dente?")

Aos seis anos, a Sara já lia e escrevia sem erros.
Aprendera não se sabe como, ao mesmo tempo que aprendera a fazer laços com osatacadores dos sapatos, a abotoar os colchetes da saia, a fazer bonecas detrapos..
É muito fácil fazer bonecas.
Podem ter ou não ter esqueleto, depende do tamanho, e este depende dos traposque o acaso nos deixa à mão de semear.
Reúnem-se os trapos e escolhem-se os tecidos para o corpo e para o vestuário.
Para as bonecas pequenas, bastam fios, até linhas servem, se se enrolarembastante.
Se a boneca for grande, tem de ter esqueleto, ou seja, uma armação, em cruzfeita com dois pauzinhos.
Começa-se por uma bolinha: pode ser de pano, de pão, de algodão... se a gentetiver um berlinde (bola de gude) então... very, very good!
Ata-se bem apertado, em espiral, para fazer o pescoço.
Faz-se um rolinho de tecido e coloca-se na horizontal, ajeitando o tecido docorpo de modo a que fiquem a descoberto dois pedaços de cada lado.
Nas bonecas com esqueleto, envolvem-se os braços de pau em tiras de tecido eno fim dos braços cozem-se as pontas com pontinhos miúdos, a fazer de mãos.
Na vertical, isto é que requer alguma habilidade, colocam-se outros doisrolinhos, as pernas.
Se se tiver um trapo com que se faça um rolo fino e comprido o suficiente parase dobrar em ângulo... então é facílimo... mas também é preciso ter muitasorte... as mulheres aproveitam esses pedaços para fazer remendos.
Se a boneca tiver esqueleto tem de se ter muito cuidado, colocando um outropauzinho do mesmo tamanho, de modo a que a boneca não pereça coxa.
Ata-se muito bem a cintura.
Depois é só fazer a roupa!
Cruza-se uma tira a fazer de blusa e coze-se dos lados.
E com um trapézio do mesmo ou de outro tecido, talha-se a saia.
Estão a ver como é fácil?!
O difícil foi descobrir como cozer bolsos na saia... levou tempo... um diadestes, explico!
Na cabeça, passam-se fios de lã e cortam-se conforme o penteado que se escolhe
É preciso ter uma agulha grossa, de cozer camisolas... toda a gente sabe isso.
E depois basta pintar os olhos, o nariz e a boca.
Pode, antes de se cozer a blusa, colocar ou não maminhas por baixo, depende sese está a fazer uma boneca adulta ou uma boneca criança.
Aos homens e aos rapazes, é claro que se talham calças, com dois rectângulos.
Pois a Sara aprendeu tudo isto ao mesmo tempo que aprendeu a ler.
Tudo depende, afinal, de se observar as coisas, não é tão difícil quantoimaginam!
E a Sara lia.
Lia sobretudo livros de fadas, de princesas, de mouras encantadas, de dragões,de génios e gigantes.
Um dia descobriu que um dos dentes abanava. Abanava mais e mais dia após dia.
Andava ela a ler um conto onde uma pastorinha de patos tinha sonhado que se lhecaísse um dente e o colocasse durante essa mesma noite debaixo da almofada,esse dente passaria a ser o seu amuleto da sorte.
Deveria depois levá-lo consigo para todo o lado, de modo que visse tudo o queela visse pois um dia encontraria um príncipe, e apaixonar-se-iam, e levá-la-iano seu cavalo branco para um lindo castelo, onde seriam felizes para sempre.
Nunca por nunca se perde o primeiro dente que nos cai!
Um belo dia, o dente de Sara, ao roer a linha com que cozia, caiu!
Não doeu nem um bocadinho, não deitou sangue, nada!
Sara verificou o buraco com a ponta da língua e sentiu a pontinha rija do dentenovo que nascia por baixo.
Sorriu, guardou o dente solto e passou a levá-lo para todo o lado.
Ia brincar na praça, ia à mercearia...
Pelo Natal, os pais levaram-na ao circo, era uma benesse dos patrões, a ofertados bilhetes.
Ela ficou radiante!
Preparou-se muito bem, penteou-se a preceito, ao espelho, e atou uma fitavermelha no alto da cabeça.
No meio do laço, com uma ponta de fora, a mãe viu uma coisinha branca... julgouser sujeira e ia sacudi-la.
Sara deu um grande salto, afastando-se
- Não, mãe! Não mexas, senão ele cai!
- Ele quem?!
- O dente, ora essa! Deu-me tanto trabalho a prender de maneira que ficassecom a cabeça de fora!
- O dente tem a cabeça de fora? – Admirou-se a mãe, apesar de habituada àsinvenções de sua filha.
- Mas claro que sim, mãe! Se o dente é meu companheiro, vou levá-lo ao circo,para se distrair connosco!

E assim foi!
... Visto ser oportunidade rara, não podia de ir deixar de acompanhá-la aocirco, para se distrair!


Almada, Portugal, 22/1/2004






Comentários

O que você achou deste texto?       Nome:     Mail:    

Comente: 
Informe o código de segurança:          CAPTCHA Image                              

De sua nota para este Texto Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui