Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
38 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 56410 )
Cartas ( 21156)
Contos (12572)
Cordel (9941)
Crônicas (22079)
Discursos (3130)
Ensaios - (9116)
Erótico (13328)
Frases (42852)
Humor (18217)
Infantil (3699)
Infanto Juvenil (2511)
Letras de Música (5461)
Peça de Teatro (1315)
Poesias (137703)
Redação (2905)
Roteiro de Filme ou Novela (1051)
Teses / Monologos (2384)
Textos Jurídicos (1918)
Textos Religiosos/Sermões (4608)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Contos-->Cisterneiro Walder -- 06/10/2013 - 10:42 (Brazílio) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
Foi só um filete de grito, mas o clamor foi bem entendido

pelo fiel João. Logo lançou a corda e produziu forças que lhe

eram desconhecidas para içar o Alemão do fundo do poço. Na

emergência, todo mundo é moço.

Já recostado num monte de argila, rosto comprimido e sangue

ainda a lhe escorrer profusamente pelo peito do pé, o Alemão diz

que não é nada. Acha que nem de médico precisa. No máximo

uma farmácia.

Mas o socorro lhe é providenciado dentro do imediato possível,

mal dando tempo a que o Alemão cisterneiro explique aos

atônitos circunstantes aquela desafortunada ocorrência. Mais um

pouco, poderia ter decepado o próprio pé.

A picareta - sempre picaretas - ao ser desferida tocara

acidentalmente no cabo da pá, e pá! Mas tudo em paz, o taxi ali

na rua já o leva num zás-trás.

E na semana seguinte, pé enfaixado, lá estava o Deraldo Alemão,

de novo no fundo do poço. E com poucos dias mais de escavação

deu-se no freático e a água começou a "merejá" as paredes.

Aos dezenove metros e quarenta - concedendo-se dois e pouco

de água - estava concluída a parte de escavação, que logo foi

seguida do revestimento, em tijolo bem queimado e o trabalho

por concluído dado.

Quando Deraldo retornou àquele poço já haviam passado mais

de dois anos. Foi para a sua limpeza, mas com aquela mesma

destreza.

Recuperou o "copão", de lata de gordura de coco, de dois litros,

que ali havia caído e já quase consumido e muito pouca coisa

mais. Mas matou a saudade e a sede.
Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 24Exibido 197 vezesFale com o autor