Usina de Letras
Usina de Letras
   
                    
Usina de Letras
68 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 55338 )
Cartas ( 21071)
Contos (12177)
Cordel (9607)
Crônicas (21336)
Discursos (3113)
Ensaios - (9921)
Erótico (13147)
Frases (40245)
Humor (17570)
Infantil (3576)
Infanto Juvenil (2311)
Letras de Música (5419)
Peça de Teatro (1311)
Poesias (135954)
Redação (2881)
Roteiro de Filme ou Novela (1035)
Teses / Monologos (2375)
Textos Jurídicos (1913)
Textos Religiosos/Sermões (4239)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Teses_Monologos-->Injeção de ânimo (VIII) -- 20/07/2003 - 14:27 (Pedro Wilson Carrano Albuquerque) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
O brasileiro não pode perder a esperança no futuro, pois há muitos sinais de que estamos nos aproximando do final do túnel, como os mencionados a seguir, extraídos da edição nº 1811 da revista VEJA:
a) VEJA, uma publicação brasileira, é a quarta maior revista de informação do mundo, em circulação;
b) o Brasil, nas últimas décadas, vem melhorando em todos os nove pontos pelos quais, segundo o cientista político Harold Wilenski, passaram todas as democracias ricas de hoje, com alguma variação da velocidade:
1º) redução do tamanho das famílias;
2º) expansão da educação das massas;
3º) diversificação da estrutura ocupacional, com expansão e diferenciação das classes médias e redução de camponeses e trabalhadores não qualificados;
4º) mudanças na organização e na jornada do trabalho;
5º) incorporação das mulheres à força de trabalho;
6º) tendência à redução das desigualdades de gênero e adoção progressiva de ações afirmativas para inclusão de minorias étnicas ou culturais;
7º) criação de uma rede de proteção social;
8º) circulação da informação política e cultural pelos meios de comunicação de massas;
9º) crescimento dos setores intelectuais, científicos e de especialização técnica na classe média;
c) a taxa de fecundidade, que determina o tamanho das famílias, caiu de perto de cinco filhos por mulher, nos anos 70, para dois; o número de pessoas na família caiu de mais de cinco para três;
d) já temos um sistema de educação de massas no ensino fundamental, só faltando ampliá-lo para os graus seguintes;
e) a taxa de escolarização no ensino fundamental subiu de 80% nos anos 80 para 95% em 2000; embora no ensino médio ela ainda seja inferior a 35%, é bem melhor do que a apresentada na década de 80 (14%);
f) os brasileiros brancos nascidos em 1974 têm, em média, oito anos e meio de estudo, enquanto os nascidos em 1944 têm seis anos; os brasileiros negros nascidos em 1974 têm, em média, seis anos de estudo, para três anos e meio dos nascidos em 1944;
g) as mulheres têm mais escolaridade que os homens e são 41% da força de trabalho, para 21% em 1975;
h) praticamente 90% dos domicílios brasileiros possuem aparelhos de TV, o que permite uma maior circulação de informações;
i) temos uma rede de cientistas e intelectuais de alta qualidade e nossas classes médias têm produzido técnicos especializados qualificados;
j) as exportações brasileiras para a Argentina cresceram 92% no primeiro semestre de 2003, em comparação com o mesmo período do ano anterior;
l) o País está penetrando em mercados aos quais nunca prestara a menor atenção; assim, neste primeiro semestre, as exportações para Malta cresceram 652%, para Zâmbia 512% e para a Letônia 204%;
m) durante a passagem de Raul Jungman pelo Ministério da Reforma Agrária, o Governo assentou 525.000 famílias, um recorde;
n) no segundo semestre deste ano haverá mais dinheiro circulando na economia, diante da devolução do imposto de renda, do reajuste das aposentadorias, do pagamento de mais uma parcela da reposição das perdas do FGTS e do 13% salário;
o) a insegurança quanto aos rumos da economia no caso de vitória de Lula na eleição presidencial fazia vislumbrar o caos para 2003, com dólar a 4 reais, inflação fora de controle e risco país na estratosfera, previsões que não foram confirmadas porque o novo Presidente bancou uma política econômica austera, sem pirotecnias;
p) quem nasce no Brasil, mesmo em famílias de origem mais humilde, tem mais chance de progredir na vida do que se tivesse nascido em algum outro país;
q) nosso risco hoje é 45% maior que o da média dos outros países emergentes, mas já melhoramos muito; o Governo está fazendo bem a lição de casa e preparou o País para o crescimento de curto prazo;
r) o compromisso com as reformas estruturais e com a austeridade fiscal permitirá a volta do investimento estrangeiro;
s) com a queda da pressão inflacionária, o Banco Central deverá reduzir os juros de forma incisiva, principalmente se aprovada a reforma da Previdência;
t) de 1980 para cá, com a criação da Escola Nacional de Administração Pública (ENAP), melhora o preparo dos servidores públicos; a Instituição treinou, no período, cerca de 160.000 funcionários, através de cursos de capacitação, requalificação e gestão;
u) o Brasil é o sexto país na produção de motos, ranking em que nem aparecia no início da década de 90; nos últimos 5 anos, as vendas cresceram 75%
v) a indústria de "software" avança no País e é usada até para revitalizar centros históricos;
x) médicos do Instituto Nacional do Câncer testaram um tratamento para tumores de pulmão ainda na fase inicial que sugere aumento na sobrevida dos pacientes;
z) estudo da ONU sobre a qualidade de vida das pessoas, o Índice de Desenvolvimento Humano - IDH, revela que:
1º) o Brasil encontra-se entre os 48 países que melhoraram sua posição, subindo seis posições (de 46º para 40º);
2º) entre 1975 e 2001, o Brasil saiu de um IDH de 0,643 para 0,777; ele é o 10º colocado entre os 86 países classificados como de desenvolvimento humano médio, o que não é ruim, pois está só um pouco atrás do 0,800, a partir do qual o País é considerado de desenvolvimento elevado;
3º) o Brasil foi a nação onde a qualidade de vida mais avançou em todo o mundo, entre 1975, quando se fez o primeiro levantamento, e 2001;
4º) apesar de o País ter enfrentado, no período, o desafio da democratização, a crise da dívida externa, o segundo choque do petróleo, a hiperinflação, a globalização, o impeachment de um presidente e as quebradeiras internacionais, conseguiu saltar 56 posições no ranking do IDH, colocando-se em 65º lugar;
5º) o estudo da ONU mostra algumas diferenças entre o Brasil de 1975 e o de 2001:
- três de cada grupo de dez adultos não sabia ler ou escrever; agora o analfabetismo atinge apenas um de cada dez adultos;
- a taxa de brasileiros com curso superior, que era de 2% dos habitantes, triplicou;
- a renda "per capta", que era de 1.200 dólares, dobrou;
- a expectativa de vida no Brasil aumentou 8 anos.

Comentários

O que você achou deste texto?       Nome:     Mail:    

Comente: 
Informe o código de segurança:          CAPTCHA Image                              

De sua nota para este Texto Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui