Usina de Letras
Usina de Letras
   
                    
Usina de Letras
79 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 54805 )
Cartas ( 21052)
Contos (12086)
Cordel (9483)
Crônicas (21048)
Discursos (3105)
Ensaios - (9892)
Erótico (13118)
Frases (39763)
Humor (17540)
Infantil (3559)
Infanto Juvenil (2307)
Letras de Música (5410)
Peça de Teatro (1309)
Poesias (135479)
Redação (2869)
Roteiro de Filme ou Novela (1034)
Teses / Monologos (2371)
Textos Jurídicos (1913)
Textos Religiosos/Sermões (4164)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Contos-->Final da Viagem - Amo é Quanto me basta -- 30/09/2008 - 18:52 (Dolores Marques) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
Nesta viagem, deslizo na corrente e absorvo a humidade dos teus beijos. Fixo-me agora na união de um ponto onde te sinto colado ao meu corpo. Tu és a outra parte de mim, nesta contracção dos corpos que se encaixam para o culminar do desejo. Fluídos misturam-se e penetram esta ondulação quente que corre no mesmo sentido. Deito-me num leito suave, e as tuas mãos sustêm o meu corpo que se estende ao calor do teu abraço, deslizam e partem à descoberta dos mais recônditos jardins, desbravando matagais de sonhos virgens....dispo-me só para ti. Esta nudez da alma é uma sensação única de prazer que escorre as margens deste rio que abunda os poros da minha pele, embevecidos com o teu amor... Sugas-me as entranhas, vais até ao âmago do meu ser e os meus peitos soltam-se, perante o teu olhar nublando-te os sentidos. Penetram duros na tua boca. Tens na profundidade do olhar, algo que me prende, que conheço não sei de onde.
Amo-te! É quanto me basta!
Solto-me na fluidez das palavras que se prendem na noite, revelando segredos ainda por desvendar.
Espero por ti, e enquanto isso, vou-te sentindo nesta viagem que iniciei através do meu corpo. Esta parte de mim que aguarda pelos dias e as noites em que nos teremos por inteiro, é um misto de amor, amizade, admiração por ti. Corpos que penetram nos corredores da noite e se abandonam às cores do desejo e da paixão. Este fogo que vai queimando, dilacerando, é onde te sinto, quando te penso, as minhas mãos nas tuas mãos, o teu peito no meu peito e essa erupção que tinge o azul do céu, clama em desejo de mim. Amo-te com um amor que desconheço. Não me sinto, não me vejo e abandono-me nesta viagem que iniciei desde que te vi ir embora, apenas com um beijo na face. Olhei através do espelho retrovisor e vi-te seguir com os olhos postos no chão. Não me pediste para ficar, nem pronunciaste as palavras mágicas que me encantam e aindo hoje aguardo por uma só... Este encontro, onde os corpos se submetem ao sabor da paixão, esta fusão de almas que se encontram nas palavras e na sequência de páginas desfolhadas. Vidas por descobrir e o amor é a chave que permite a entrada desta energia suave, quente que me cobre o corpo.

Adormeço sem dar por isso e a minha alma vagueia por aí nestes encontros e desencontros, nesta viagem que se estende no infinito de nós.




De livro a editar "Às Escuras Encontro-te"
Comentários

alimentosrenata  -

Excelente trabalho!

  -

Quem faz poesia vive a vida de um outro jeito. Vive de forma dobrada

silvano  -

Profundo... Verdadeiro...
Obrigado!!!

O que você achou deste texto?       Nome:     Mail:    

Comente: 
Informe o código de segurança:          CAPTCHA Image                              

De sua nota para este Texto Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui