Usina de Letras
Usina de Letras
   
                    
Usina de Letras
95 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 54945 )
Cartas ( 21059)
Contos (12121)
Cordel (9542)
Crônicas (21131)
Discursos (3109)
Ensaios - (9910)
Erótico (13133)
Frases (39897)
Humor (17551)
Infantil (3560)
Infanto Juvenil (2308)
Letras de Música (5414)
Peça de Teatro (1311)
Poesias (135650)
Redação (2874)
Roteiro de Filme ou Novela (1035)
Teses / Monologos (2374)
Textos Jurídicos (1913)
Textos Religiosos/Sermões (4195)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Poesias-->MINHA IR(RELIGIÃO) -- 06/12/2007 - 07:07 (Ivo S. G. Reis) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
MINHA (IR)RELIGIÃO


Não, não estamos na Inquisição...
Mesmo assim, os diferentes,
Por não sermos a “Deus” tementes,
Somos cobrados a ter uma religião
E reafirmar nossa fé em “Deus”.

Por que assim tão exigentes?
Acaso não cabe a nós, como entes,
A escolha ou não de um Deus,
Decidir ser crentes ou ateus?

Religião ou irreligião?
Não sei, mas é algo que professo,
E ser ou não ser, não é a questão.
Mil vezes expliquei, mas sem sucesso,
E ainda a inquirir e a me julgar estão.
Cansei! Encerrem o processo!
Dêm-me o direito da derradeira explicação,
E eu relato como um réu-confesso:

Quereis o nome da minha religião,
O seu “Deus”, os princípios que defende,
O endereço da sua sede,
O número de seguidores?. Ei-los:

Minha religião não tem nome
E é desconhecida dos homens.
Não faz marketing, nem propaganda,
Não quer agregar adeptos.

Minha religião é liberal, libertária e confiável.
Não afronta outras, não se julga melhor nem pior.
Não faz proselitismo e não lança reptos.
Modesta, não se expõe, trabalha em silêncio.

Minha religião, em modelo algum é enquadrável.
Abomina rótulos, não presta obediência a ninguém.
Não quer encaixar-se no que é formal,
E em nenhuma denominação convencional.

Minha religião é auto-sustentável,
Não exige dízimos, donativos ou contribuições
E também, não promete graças ou milagres,
Mas premia o seguidor por suas ações

Minha religião não tem templo físico visível,
Mas está comigo em qualquer lugar:
No Pólo Norte ou no Pólo Sul,
No mar, na terra ou no ar,
Onde eu estiver, lá ela estará.

Minha religião é confiável e leal,
Não me exige sacrifícios, não me amedronta,
Não estabelece metas que eu não possa cumprir,
Não me impõe regras rígidas, castigo ou penitência...
E se alguma regra eu quebrar,
Faz com que me apresente à minha consciência.

Juíza e conselheira dos atos que eu praticar,
É ela, a consciência, quem me mostra os erros,
A salvação ou a conseqüência
Da sabedoria ou imprudência
Da escolha de um caminho.

Minha religião não é pedinte,
E nem permite que eu seja.
Incita à luta e à persistência,
Não pratica e condena imprecações,
Não tem deuses, não tem santos,
Não tem papas, bispos, pastores ou missionários,
“Guias espirituais” ou gurus, a dizer-me o que fazer.

Minha religião nem tem livros sagrados!...
Não tem sede fixa, filiais, nem cultos nem orações.
Tem apenas um parlatório, para planejar as ações.

Minha religião é ligada, bem-informada, atual.
Estuda o passado, com os pés no presente,
E a visão no futuro.
Pesquisa, estuda, não me deixa no escuro.

Minha religião defende a natureza,
E o amor ao próximo, inclusive aos animais.
Defende a honestidade, a amizade, a lealdade.
Tem por norma maior o bom-senso
E o não fazer mal a ninguém.

Minha religião não aceita e combate ferozmente:

Dogmas, imposições, injustiças, ignorância,
A dependência pelas drogas aniquilantes,
As opressões dos mais fortes sobre os mais fracos,
Os criminosos ambientais,
Os corruptos, os charlatões,
A propaganda enganosa, de cerebração criminosa,
O fanatismo e o proselitismo religioso competitivos,
A violência, a censura, a repressão, a tortura,
A exploração do cidadão pelo Estado.

Minha religião, sem nome, de único seguidor, é finita;
Só quer me mostrar a que vim
Por outras, homens e mulheres, não é bendita.
Foi fundada no dia em que nasci
E quando eu morrer terá seu fim.

Quereis agora o resumo, a sede e o nome?
Então que seja, que seja...
-------------------------------------------------
Sede: Eu interior; Deus: a minha consciência
Número de adeptos: só um;
Princípios que defende: os meus
Fundação: No dia em que eu nasci
Filiais: Não possui
Abrangência: Minha conduta, nos meus espaços
Nome: “EU SOZINHO POR MIM “
-------------------------------------------------


Ivo S G Reis
Publicado no Recanto das Letras em 06/12/2007
Código do texto: T766771



Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Mencionar: Autor original: Ivo S. G. Reis; fonte: Recanto das Letras - Site do Autor - http://www.ivosgreis.prosaeverso.net). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Comentários

O que você achou deste texto?       Nome:     Mail:    

Comente: 
Informe o código de segurança:          CAPTCHA Image                              

De sua nota para este Texto Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui