Usina de Letras
Usina de Letras
   
                    
Usina de Letras
92 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 54945 )
Cartas ( 21059)
Contos (12121)
Cordel (9542)
Crônicas (21131)
Discursos (3109)
Ensaios - (9910)
Erótico (13133)
Frases (39897)
Humor (17551)
Infantil (3560)
Infanto Juvenil (2308)
Letras de Música (5414)
Peça de Teatro (1311)
Poesias (135650)
Redação (2874)
Roteiro de Filme ou Novela (1035)
Teses / Monologos (2374)
Textos Jurídicos (1913)
Textos Religiosos/Sermões (4195)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Poesias-->Poesia Libertária -- 05/12/2007 - 07:49 (Ivo S. G. Reis) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
Minha poesia é rebelde e libertária,
Transcende o seu criador.
Não aceita rótulos nem formas
(com “ó”, aberto; mas poderia ser “ô”, fechado),
Nem se ajusta a nenhum estilo.

Ajustar-se e conformar-se?
Apenas às regras gramaticais,
Quando achar que deva seguir.
Exemplo? Está aí: “Forma (ó) e Forma(ô)”
Como distingüir, na linguagem escrita?

“Não aceita a f(ó)rma”; “não aceita a “f(ô)rma”
Questão de Prosódia? Ortoépia?
“Homônimas homógrafas”?
Uma Ova! Abaixo os sofismas gramaticais!
Abaixo os rótulos! Ambas estão certas,
E nem o sentido da frase as difere.
Por isso, minha poesia é libertária.

Versos livres, formas livres, irregulares,
Versos de forma fixa, cadenciados, metrificados, rimados,
Os dois modelos misturados (ou não)
Assim ela quer ser, liberta dos seus pares.
Entende ela (não eu) que poesia não tem grilhões.
Segue padrões quando quiser,
Deixa de segui-los, se lhe aprouver.

Se preferir, vira um soneto, uma trova ou uma ode,
Obedece padrões de forma, métrica e rima.
Se não quiser – e ela acha que pode,
Inventa palavras, reinventa, muda o sentido,
Desregula estrofes, formas, métricas e retira rimas.
Ou mistura tudo, refaz o verso quebrado, reinclui as rimas
E se conforma à forma, mas não a forma,
Ora seguindo padrões, ora não seguindo.

Assim é a minha poesia
E assim é a sua escola...
Não sou eu quem a cria,
Não sou eu quem a controla.
Ela sim, é quem me guia,
Fazendo de mim o instrumento,
Apenas necessário para dar-lhe vida,
Apenas necessário em seu maior momento.
Comentários

O que você achou deste texto?       Nome:     Mail:    

Comente: 
Informe o código de segurança:          CAPTCHA Image                              

De sua nota para este Texto Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui