Usina de Letras
Usina de Letras
   
                    
Usina de Letras
79 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 55217 )
Cartas ( 21066)
Contos (12156)
Cordel (9589)
Crônicas (21289)
Discursos (3112)
Ensaios - (9914)
Erótico (13140)
Frases (40120)
Humor (17564)
Infantil (3566)
Infanto Juvenil (2310)
Letras de Música (5416)
Peça de Teatro (1311)
Poesias (135847)
Redação (2879)
Roteiro de Filme ou Novela (1035)
Teses / Monologos (2375)
Textos Jurídicos (1913)
Textos Religiosos/Sermões (4226)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Ensaios-->Os serviços de Inteligência de Cuba - Um pouco de história -- 20/02/2014 - 14:24 (Félix Maier) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos

OS SERVIÇOS DE INTELIGÊNCIA DE CUBA – UM   POUCO DE HISTÓRIA

 

Carlos Ilich Santos Azambuja (*)

 

              Manuel Piñero Losada ("Barba Roja”), que por cerca de 30 anos foi o chefe da Inteligência cubana, e que morreu em 1998, em Havana, em um acidente de automóvel dirigido por ele próprio, será recordado como o encarregado de exportar a revolução cubana para toda a América Latina, tendo sido, como tal, o responsável pela militarização da maioria dos partidos e grupos de esquerda.

 

              Desde o seu posto no Ministério do Interior e, posteriormente, no Departamento América do Comitê Central do Partido Comunista Cubano, impulsionou todo o tipo de guerrilhas e insurreições, conseguindo obter, assim, uma vasta rede de amizades e contatos com a esquerda latino-americana, cujos dirigentes recebia em sua própria casa, no bairro de Miramar, em Havana.

             

                  É fato sabido que no período de 1970 a 1973, durante o governo de Salvador Allende, os cubanos se encarregaram de montar a segurança de Allende, constituindo um organismo denominado GAP (Grupo de Amigos do Presidente). Essa tarefa foi desempenhada pelo Departamento de Tropas Especiais do Ministério do Interior de Cuba, onde, na época, estava Piñero.

 

              Porém, foi a partir do ano de 1974 – já no governo Pinochet – que se fez sentir, com maior firmeza, sua influência sobre os grupos de esquerda chilenos. Nesse ano ele assumiu a chefia do Departamento América (DA), organismo do Comitê Central do PC Cubano que impulsionava a luta armada no continente. Piñero criou uma complexa rede para apoiar as organizações revolucionárias do continente: infraestrutura, treinamento militar em Cuba (que já existia desde o final dos anos 60), financiamento, documentação falsa, traslado de militantes, etc.

 

              Ademais, colocou diversos membros da Inteligência, subordinados seus, como embaixadores, cônsules e outros cargos diplomáticos para facilitar as atividades do DA. Alguns desses agentes permanecem como embaixadores até hoje, como é o exemplo de Fernando Ravelo Renedo, coronel, que no início dos anos 80, quando embaixador na Colômbia teve que deixar o cargo por ter sido descoberta suas ligações com as organizações guerrilheiras daquele país e com o tráfico de drogas, sendo removido para a embaixada na Nicarágua.. Fernando Ravelo Renedo, quando no Ministério do Interior, no final dos anos 60, início dos anos 70, era o responsável pelo treinamento armado, em Cuba, dos grupos guerrilheiros brasileiros e de outros países. Era, então, conhecido pelo codinome de  Major Fermin Rodriguez”.  

 

              Com essa base, “Barba Roja” cooperou, de forma decisiva, com os esforços da esquerda chilena para resistir ao governo do general Pinochet, especialmente com seus amigos do Movimiento de Izquierda Revolucionária (MIR), principal organização de luta armada chilena.

              O centro de operações da “rede de resistência chilena” foi, então, estabelecida na embaixada de Cuba em Buenos Aires, da qual os guerrilheiros chilenos recebiam dinheiro e armamento. Além disso, contavam com uma infraestrutura para tirar ou fazer retornar seus militantes ao Chile. Piñero sempre teve membros do DA na embaixada em Buenos Aires. Na década de 80, até início dos anos 90, esses membros eram o próprio embaixador, Santiago Eduardo Diaz Paez, codinome “Terry” e o Conselheiro Político da embaixada, Daniel Enrique Herrera Perez, subchefe do DA para o Cone Sul.

 

              A propósito, recorde-se que o chileno Juan Carlos Cancino Acevedo, um dos seqüestradores do coronel do Exército chileno Carlos Carreño (seqüestrado em 1 de setembro de 1987 em Santiago e libertado no centro de São Paulo), preso pelas autoridades daquele país, em depoimento sobre suas atividades declarou que em 7 de junho de 1986 foi mandado a Cuba, a fim de receber treinamento, fazendo o trajeto, por via aérea, Santiago/Buenos Aires/Lima. Em Lima recebeu, de um funcionário da embaixada cubana,  um passaporte cubano em seu nome e uma passagem aérea Lima/Caracas. Em Caracas, de outro funcionário cubano, recebeu, no aeroporto, uma passagem aérea Caracas/Havana. Em fins de dezembro de 1986, regressou, em vôo da Cubana de Aviación, até Buenos Aires, devolvendo à embaixada cubana o passaporte cubano recebido em Lima, e recebendo uma quantia em dólares a fim de retornar ao Chile, por via terrestre.

 

              Por volta do ano de 1978, Manuel Piñero respaldou a chamada “Operação Retorno” do MIR, mediante a qual voltaram ao país, clandestinamente, inúmeros militantes com formação militar. Não obstante, essa Operação fracassou, sendo detida a maior parte dos retornados, desarticulado o núcleo armado urbano e aniquilado o “Foco Guerrilheiro” que havia sido instalado na região de Neltume.

 

              Diversas versões, na época, atribuíram o fracasso a uma infiltração existente no DA, próxima a Piñero.

 

              Apesar do fracasso da “Operação Retorno”, Manuel Piñero Losada sobreviveu na chefia do DA graças ao saldo em seu favor acumulado pela participação de seu Departamento na vitória da guerrilha sandinista, na Nicarágua, em 1979, ao auge da guerrilha em El Salvador e ao estabelecimento de um regime pró-castrista em Granada.

 

              Em meados da década de 80, quando o PC Chileno se militarizou, criando a Frente Patriótica Manuel Rodriguez (FPMR), os vínculos dessa organização com Havana eram feitos à margem de Manuel Piñero, através do Ministério do Interior e das Forças Armadas Revolucionárias (FAR), uma vez que os principais líderes da FPMR eram chilenos formados como oficiais nas academias militares do Exército cubano.

 

              Entretanto, um dos fatos que mais afetou negativamente a chefia de Piñero no DA foi a cisão ocorrida no MIR em 1987. Tentando evita-la, realizou em sua própria casa, em Havana, diversas reuniões com dirigentes desse grupo, todas infrutíferas.

 

              Finalmente, o poder de Piñero começou a sofrer danos com o fortalecimento dos “Contras”, na Nicarágua, o fim da guerrilha em El Salvador mediante um acordo de paz e, fundamentalmente, pela queda do bloco soviético, nos anos 1989, 1990 e 1991.

 

              A crise econômica de Cuba, somada à política de boa vizinhança destinada a fortalecer os laços comerciais com países do Ocidente, levaram Manuel Piñero Losada a buscar o autofinanciamento de suas operações no continente. Em 1987 eram conhecidas, pelos Serviços de Inteligência ocidentais, suas relações com 27 grupos guerrilheiros. Com os chefes logísticos, dessas organizações, de sua maior confiança, Piñero organizou uma rede que objetivava criar um fundo comum mediante seqüestros de empresários e assaltos a bancos no México e no Brasil.

 

              O primeiro a divulgar essas atividades foi o cientista político mexicano Jorge Castañeda, depois Ministro do Exterior do México, através de seu livro “A Utopia Desarmada”, editado no Brasil em 1994. O livro, nas páginas 67, 405 e 406, revela os vínculos de Manuel Piñero Losada com os seqüestradores do empresário Abílio Diniz, em São Paulo, em dezembro de 1989, “atribuído a ex-revolucionários do Cone Sul que atuavam por conta própria”, bem como com os autores de outros delitos, como o seqüestro do empresário Juan Diego Gutierrez, no México, em 1990, para “financiamento e autogestão do DA”. Esses teriam sido os motivos fundamentais para a queda de Piñero da chefia do DA em 24 de fevereiro de 1992. Na página 67, Castañeda assinala que “o DA planejava as operações, transferia as armas necessárias para o país em questão e expedia o dinheiro a Cuba pela mesma via”, tudo através das malas diplomáticas.

 

              Todavia, Jorge Castañeda não foi o único a escrever sobre o assunto. A jornalista canadense Isabel Vincent, em seu livro “Uma Questão de Justiça”, lançado simultaneamente no Brasil e no Canadá em maio de 1995, escreveu sobre o casal de  canadenses que participaram do seqüestro de Abílio Diniz: “ Os dois canadenses faziam parte de uma rede mundial de seqüestros. O cartel teria ramificações em mais de 12 países, incluindo terroristas do grupo separatista basco ETA”.

 

              A propósito dessa afirmação, recorde-se a explosão de um bunker, em 23 de maio de 1993, em Manágua, Nicarágua, onde além de grande quantidade de armamento e munição, foram encontrados inúmeros documentos, como passaportes, cédulas de identidade, de motorista, microfilmes e listas de pessoas de diversos países, consideradas “seqüestráveis”, bem como descrições de rotas de entrada e saída do Brasil e até levantamento de quartéis. Um total de 306 documentos de viagem (passaportes em branco da Inglaterra, EUA, Venezuela, El Salvador, Alemanha, Granada, Itália e Suíça), cartões de crédito falsificados, falsas credenciais de imprensa, 86 carimbos de visto de entrada e saída de diversos países, além de anotações de como entrar nesses países “pela porta dos fundos” (no Brasil, por exemplo, pela Amazônia). Junto a todo esse material, foram encontrados dois passaportes pertencentes ao casal de canadenses que participou do seqüestro de Abílio Diniz. O responsável por esse bunker era um dirigente da ETA BASCA e integrante do aparelho de Inteligência sandinista, identificado como Eusébio Arzallus Tapia, portador de uma enorme ficha criminal e procurado em toda a Europa por cerca de 20 atentados terroristas.

 

              Anteriormente, também os jornalistas franceses Jean Pierre Fogel e Bertrand Rosenthal, autores do livro “Fin de Siglo en Havana”, lançado em Bogotá, Quito e Caracas em 1994, dedicaram um capítulo ao seqüestro de Abílio Diniz. Nesse capítulo consta o seguinte: “Em Cuba, espera-se, antes de tudo, que a polícia não detenha - e não o logrará – os dois últimos cúmplices que fogem, pois isso permitiria chegar até o Departamento América do Comitê Central. Manuel Piñero, por meio de seu chefe de Operações, Armando Campos Ginesta, confiou essa operação ao argentino Umberto Eduardo Paz, codinome “Juan”, formado, assim como seus companheiros, em Cuba. Os dois homens que fogem contribuíram com uma inversão inicial: a informação e a logística, em troca da repartição tradicional do resgate”. 

 

              Não fosse a ação oportuna, eficiente e enérgica da Polícia de São Paulo, a sorte de Abílio Diniz poderia ter sido a mesma de Aldo Moro.

 

              Os fatos acima representam uma gota d’água no oceano de atividades de “Barba Roja” e dos Serviços de Inteligência de Cuba. Ainda há mais, muito mais, a ser contado.

 

 

DGI – DIRETÓRIO GERAL DE INFORMAÇÕES

 

              O DIRETÓRIO GERAL DE INFORMAÇÕES (DGI) é o serviço cubano de Inteligência externa. Está sob a jurisdição do Ministério do Interior (MININT), sendo que o seu diretor, durante mais de 30 anos foi Manuel Piñero Losada (falecido em 1998, em Havana, em um acidente de automóvel), que era também Vice-Ministro do Interior, envolvido em atividades de Inteligência desde 1959. Era esta última condição que lhe outorgava autoridade sobre o DGI. Entre os três vice-ministros do Interior, Piñero Losada era o primeiro em precedência.

              A DGI passou a existir quando a “Seção M” da Diretoria de Segurança do Estado (DSE), que até então era a responsável pela segurança externa, tornou-se o núcleo do novo serviço de Inteligência. Seu Quartel-General, em Havana, é conhecido como o Centro Principal, e suas divisões maiores são denominadas Seções que, por sua vez, compõem-se de Birôs.

              As seções operativas são: II-1 (América Latina), II-2 (Europa Oriental), III (Escritórios na Rússia, República Checa, República Eslovaca, Alemanha, Canadá, México e Nações Unidas), III-1 (Atividades Ilegais), V (África).

              As Seções de Apoio são: II-2 (Contatos), IV (Pessoal), N-1 (Serviços Técnicos), Centro de Documentação e Logística.

              A Seção II-1 (América Latina) tem 6 ramificações: Colômbia, Venezuela e Equador; Brasil e Uruguai; Argentina, Chile e Peru; República Dominicana e Haiti; América Central; Bolívia. Mantém escritórios ou Centros no exterior (apenas em países com os quais tem relações diplomáticas).

              Poucos detalhes são conhecidos sobre as operações que a Seção II-1 desenvolve nos países em que em interesses. Alguns de seus agentes são orientados pelo Centro em Paris, responsável pelo apoio que era ministrado aos movimentos de libertação nacional na América do Sul nas décadas de 60 e 70.

              O Centro de Paris implantou e dirige endereços postais, naquela cidade, para utilização pelos movimentos revolucionários que atuam nos países sob jurisdição da Seção II-1, para comunicar-se com Havana.

              A Seção II-2 (Europa Ocidental) compõe-se de 7 Birôs: Áustria, Itália, Portugal, Reino Unido, Suíça e França/Bélgica. Cada um desses Birôs é responsável pelo apoio ao Centro correspondente, no estrangeiro. Os Centros da Seção II-2 estão localizados nas representações diplomáticas de Cuba, em Viena, Roma, Lisboa, Madri, Londres, Genebra, Paris e, possivelmente, Estocolmo, cobrindo os países escandinavos. Na Grécia e Chipre, por não representarem interesse algum para o DGI, não existem Centros.

              A Seção III divide-se em 9 ramificações: CIA, Contra-Revolução, ONU, México, Canadá, Rússia, Checoslováquia (agora dividida em 2 países), a então Alemanha Oriental e um Grupo de Apoio para a fabricação de documentos, conhecido como “o Pessoal do Diosdado”.

              Até 1966, pelo menos, um escritório unificado de Contra-Revolução tinha como propósito operativo penetrar na comunidade de exilados cubanos nos EUA a fim de detectar quaisquer planos de ação hostis a Cuba, especialmente através de infiltrações na Ilha.

              O Birô das Nações Unidas dá apoio às atividades da delegação cubana naquele organismo internacional.

              O “Pessoal do Diosdado”, pequeno em sua estrutura, providencia documentação de toda e qualquer natureza: passaportes, vistos, cartões de identidade, certidões de nascimento e óbito; obtém os timbres e os selos das diversas embaixadas; material de expediente de todos os países e amostras dos diferentes tipos de papel fabricados em cada país; responsabiliza-se pela aquisição de mapas, fotos de aeroportos, horários de ônibus, trens e aviões. Em geral, fornece todo o tipo de informações necessárias a uma viagem, inclusive e principalmente no que diz respeito à travessia ilegal de fronteiras.

              O Centro da cidade do México é, provavelmente, o responsável pelo apoio às operações clandestinas nos países da América Latina e EUA. Quanto ao centro da DGI, em Praga (antes da divisão da Checoslováquia em dois países) tinha a atribuição de prover as necessidades de transporte, hospedagem e documentação dos revolucionários dos movimentos de libertação nacional, a caminho de Havana, para treinamento ou consultas.

              A Seção II-1 (Atividades Ilegais), originariamente integrante da Seção III, da qual se desligou em 1968, é ativa em recrutamento, instrução e infiltração. A ela cabiam determinadas atividades no antigo bloco comunista.

              Quanto à Seção III-2 (Contatos), ela foi criada posteriormente com a missão de prover as diversas Seções do DGI, e seus Centros no exterior, de domicílios de conveniência, pontos de coleta de informes, abrigos e locais de reunião. É também responsável pelas ligações oficiais com outras organizações do governo cubano.

              A Seção IV (Pessoal) tem a missão de recrutar e treinar todo o pessoal do DGI, bem como selecionar o pessoal para serviço no Corpo Diplomático. Posteriormente, foram-lhe atribuídas outras tarefas.

              A Seção V (África) era a responsável pelas ligações com o comando dos militares em operações na África, dirigindo e controlando todas as atividades de guerrilha naquele Continente. Segundo indícios, essa Seção incluía também, o Oriente Médio.

              A Seção N-1 (Serviços Técnicos) supre os oficiais e agentes do DGI com sistemas clandestinos de comunicações e presta todo o auxílio técnico necessário às operações das demais Seções. Esse apoio técnico compreende uma unidade fotográfica, uma unidade de codificação e cifragem, uma unidade de despistamento e uma unidade áudio.

              Pouco se conhece sobre o Centro de Documentação, além do fato de que nele estava alocado um “conselheiro” soviético. Possivelmente esse Centro seria o Arquivo Geral do DGI.

              A Seção de Logística encarrega-se da alimentação, do vestuário e do alojamento dos agentes chamados a Havana, assim como das necessidades administrativas e logísticas das diversas Seções do Centro Principal.

              Com o fim dos chamados movimentos de libertação nacional, na década de 80, a queda do Muro de Berlim, em novembro de 1989, o fim da Alemanha Oriental e do bloco socialista em 1990, bem como o fim da União Soviética em 1991, todo esse planejamento de funcionamento do Diretório Geral de Informações teria sido, evidentemente, reformulado.

              Uma referência deve ser feita ao Departamento de Operações Especiais, órgão a cargo das Tropas Especiais, unidade paramilitar vinculada ao Ministério do Interior, através do qual militantes dos movimentos de libertação nacional, escolhidos pelo Departamento América, recebem treinamento militar em Cuba.

              Sabe-se que oficiais desse Departamento mantêm contatos diretos com membros do aparato militar de determinados movimentos de libertação. A supervisão geral de tais contatos é, no entanto, do DA.

(*) Carlos Ilich Santos Azambuja é historiador

 

Conheça o Estado policial fascipetista denunciado em livro por Romeu Tuma Jr., acessando:

http://veja.abril.com.br/blog/reinaldo/geral/o-livro-bomba-tuma-jr-revela-os-detalhes-do-estado-policial-petista-partido-usa-o-governo-para-divulgar-dossies-apocrifos-e-perseguir-adversarios-caso-dos-trenes-em-sp-estava-na-lista-el/

Faça download do livro de Tuma Jr., ASSASSINATO DE REPUTAÇÕES - UM CRIME DE ESTADO, clicando em

http://liciomaciel.wordpress.com/2014/01/15/tuma-jr-livro-download

A transcrição do livro de Tuminha pode ser vista em http://pt.slideshare.net/CelsoDaviRodrigues/livro-assassinato-de-reputaoes-tuma-junior

 

Leia os textos de Félix Maier acessando:

1) Mídia Sem Máscara

http://www.midiasemmascara.org/colunistas/10217-felix-maier.html

2) Piracema - Nadando contra a corrente (textos mais antigos)

http://felixmaier.blogspot.com/

3) Piracema II – Nadando contra a corrente (textos mais recentes)

http://felixmaier1950.blogspot.com/

 

Leia as últimas postagens de Félix Maier em Usina de Letras clicando em

http://www.usinadeletras.com.br/exibelotextoautor.php?user=FSFVIGHM

 

Para conhecer a história do terrorismo no Brasil, acesse:

http://wikiterrorismobrasil.blogspot.com.br/

Comentários

O que você achou deste texto?       Nome:     Mail:    

Comente: 
Informe o código de segurança:          CAPTCHA Image                              

De sua nota para este Texto Perfil do Autor Seguidores: 566Exibido 753 vezesFale com o autor