Usina de Letras
Usina de Letras
   
                    
Usina de Letras
84 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 54839 )
Cartas ( 21056)
Contos (12106)
Cordel (9510)
Crônicas (21077)
Discursos (3106)
Ensaios - (9897)
Erótico (13126)
Frases (39799)
Humor (17545)
Infantil (3558)
Infanto Juvenil (2308)
Letras de Música (5411)
Peça de Teatro (1309)
Poesias (135520)
Redação (2869)
Roteiro de Filme ou Novela (1034)
Teses / Monologos (2371)
Textos Jurídicos (1913)
Textos Religiosos/Sermões (4173)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Cordel-->A Santa de Vilar Chão Portugal -- 04/08/2016 - 11:19 (Armando A. C. Garcia) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
Número do Registro de Direito Autoral:148224913160229900
A Santa de Vilar Chão
Portugal

Da Amelinha era chamada
Essa pobre menininha
Que vivia, meio entrevada
Quando 16 anos tinha,
Em 1946, foi convidada
A dizer-se de santinha

Dizendo-se assim curada
Pela mãe Virgem Maria
Essa farsa foi montada,
Pelo Padre da freguesia
E o médico, seu irmão
Assim foi feita a abjeção

De cruzes a estigmatizaram
Dizendo que foi de Jesus,
Para tal utilizavam
Tintura de iodo, em cruz
E aos milhares enganavam
Em nome da fé, que seduz

Acorreram multidões
De norte a sul de Portugal
Buscando por soluções
Cada um para seu mal;
Na santa das aparições
Novamente !... é casual

Fingindo, fingiam tudo
E como milagre, anunciaram
Uma espécie de eclipse no sol.
Ocasião em que parecia rodopiar
Numa auréola avermelhada
E o povo ajoelhou-se a rezar

Vários milagres eram encenados
Como quando, com uma seringa,
Apagada a luz de seu quarto
Disse que eram gotas d’água
Que Deus mandava do céu,
Isto, fazia parte da frágua.

Milhares de peregrinos,
Constantemente enganados
Enquanto esses cretinos
De dinheiro abarrotados,
Jóias e anéis, amontoados
Pois na arte, eram ladinos

Não pensem que esta história
Foi inventada por mim
Ainda guardo na memória
Quando minha mãe disse assim
Meu filho vai beijar a santa,
Tendo eu, nove anos de idade,
Não podia negar sua vontade !

Amélia da Natividade Rodrigues Fontes
Era o nome de Amelinha,
O do padre da freguesia
Era Humberto Flores,
Que, do médico, era irmão
E atribuiu, milagre à curandia

São Paulo 04/08/2016 (data da criação)
Armando A. C. Garcia

Visite meus blogs:
http://brisadapoesia.blogspot.com
http://preludiodesonetos.blogspot.com
http://criancaspoesias.blogspot.com

Direitos autorais registrados
Mantenha a autoria do poema
Comentários

O que você achou deste texto?       Nome:     Mail:    

Comente: 
Informe o código de segurança:          CAPTCHA Image                              

De sua nota para este Texto Perfil do Autor Seguidores: 12Exibido 103 vezesFale com o autor