Usina de Letras
Usina de Letras
   
                    
Usina de Letras
111 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 55060 )
Cartas ( 21063)
Contos (12134)
Cordel (9565)
Crônicas (21229)
Discursos (3108)
Ensaios - (9913)
Erótico (13135)
Frases (39987)
Humor (17551)
Infantil (3562)
Infanto Juvenil (2309)
Letras de Música (5414)
Peça de Teatro (1311)
Poesias (135730)
Redação (2875)
Roteiro de Filme ou Novela (1035)
Teses / Monologos (2374)
Textos Jurídicos (1913)
Textos Religiosos/Sermões (4205)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Cordel-->Coração amante !... -- 23/05/2015 - 22:17 (Armando A. C. Garcia) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
Número do Registro de Direito Autoral:143769009045825900



Coração amante !...


Das lembranças, trago ainda
Minha alma mutilada
Nem a esperança se finda
De pensar em ti, amada !

Não pensei que assim seria
O âmago da minha cruz.
Não mais te ver, quem diria,
A querer ver-te, não me opus

...Pobres sentimentos meus
Que na memória encerro,
Não ver mais os olhos teus
Foi para mim um desterro

Tua ausência e esquecimento
Numa saudade distante,
Um cruel padecimento
Pra meu coração amante

Se a ti, ainda pudesse
Levar o meu pensamento
Conhecerias o interesse
Que tinha no casamento

Eras uma pérola pra mim
Incrustada no meu peito
Bela flor no meu jardim
Perdi-te, não teve jeito

Por esses caminhos quedos
Transpostos ousadamente
Tu, fugiste de meus dedos
Deixando-me descontente

Sinto saudades agora
Dos tempos que já lá vão
Se o presente, fosse outrora
Não fugirias, mais não,

Não deixaria o destino
Tirar com a mão malvada
De mim, o amor genuíno
De paixão eternizada !

Um calendário de sombra
Os dias de minha vida
Um presságio que assombra
Mais ainda esta ferida

Assim, carrego comigo
Fragmentos de ilusão
No imponderável amigo
O meu triste coração !

Quando liberto da matéria
Já no espaço sideral
E sem sangue na artéria
Pedirás perdão do mal

Que nesta vida fizeste
Ao meu pobre coração
Ali, tu sempre soubeste
Que foste minha paixão

Ali, voltarás a amar
Sem os vícios da matéria
Que na ilusão vitupéria
Mudou o teu caminhar.

Porangaba, 22/05/2015 (data da criação)
Armando A. C. Garcia

Visite meu blog:
http://brisadapoesia.blogspot.com



Comentários

O que você achou deste texto?       Nome:     Mail:    

Comente: 
Informe o código de segurança:          CAPTCHA Image                              

De sua nota para este Texto Perfil do Autor Seguidores: 12Exibido 207 vezesFale com o autor