Usina de Letras
Usina de Letras
Usina de Letras
37 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 54174 )
Cartas ( 21645)
Contos (12901)
Cordel (9364)
Crônicas (20734)
Discursos (3159)
Ensaios - (10371)
Erótico (21504)
Frases (44634)
Humor (22100)
Infantil (4581)
Infanto Juvenil (3274)
Letras de Música (5707)
Peça de Teatro (1372)
Poesias (140751)
Redação (2975)
Roteiro de Filme ou Novela (1096)
Teses / Monologos (2645)
Textos Jurídicos (2144)
Textos Religiosos/Sermões (4154)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Artigos-->A alienação do trabalho no pensamento de Karl Marx -- 24/08/2002 - 11:32 (FRANCISCO MACHADO) Siga o Autor Patrocine o autor Patrocine o Texto Envie Outros Textos
O TRABALHO ALIENADO NA OBRA DE KARL MARX

Segundo Karl Marx, a economia política tem inicio com o fator da propriedade privada. Ela não esclarece os fatores econômicos tais como a concorrência e o trabalho. O que põe em movimento a economia política são a avareza, a guerra entre os avarentos e a competição. A propriedade privada, espírito de aquisição, a separação do trabalho, capital e propriedade agrária, troca e concorrência, valor e desvalorização do homem, monopólio e concorrência. Todos esses fatores constituem um sistema de alienação, e o objetivo do texto é buscar a conexão fundamental entre eles.

Um fato econômico contemporâneo pode dar início à demonstração do trabalho alienado. O trabalhador torna-se tanto mais pobre quanto mais riqueza produz, quanto mais a sua produção aumenta em poder e extensão. Com a valorização do mundo das coisas aumenta em proporção direta a desvalorização do mundo dos homens. O objeto produzido pelo trabalho, o seu produto, opõe-se a ele como ser estranho, como um poder independente do produtor. A realização do trabalho constitui a objetivação deste. A realização do trabalho aparece na esfera da economia política como desrealização do trabalhador, a objetivação com perda e servidão do objeto, a apropriação como alienação.

A alienação do trabalho, primeiramente, deriva do fato de que o trabalhador se relaciona com o produto do seu trabalho como a um objeto estranho.A alienação do trabalhador no seu produto significa não só que o trabalho se transforma em objeto, mas que existe independentemente fora dele e a ele estranho.

Karl Marx procura entender mais de perto o fenômeno da objetivação, a produção do trabalhador e a alienação nele implicada. O trabalhador nada pode criar sem a natureza, sem o mundo externo sensível. Do mesmo modo que a natureza fornece os meios de existência do trabalho, ela proporciona os meios de existência própria das condições físicas do trabalhador. Deste modo, quanto mais o trabalhador se apodera pelo trabalho do mundo exterior, mais se priva dos meios de existência. Sendo assim, o trabalhador se torna escravo do objeto. Em primeiro lugar porque recebe um objeto de trabalho, e pelo fato de receber meios de subsistência. Deste modo o objeto habilita-o a existir inicialmente como trabalhador e por conseguinte como pessoa física.

Marx indaga: “em que consiste a alienação do trabalho?” Segundo Karl Marx, o trabalho é exterior ao trabalhador, ou seja, não pertence à sua característica. Por conseguinte, o trabalhador só se sente em si fora do trabalho, enquanto no trabalho se sente fora de si. Assim, o seu trabalho não é voluntário, mas imposto, é trabalho forçado. Assim chega-se à conclusão de que o homem só se sente livremente ativo nas suas funções animais.

A alienação do trabalhado humano nos aparece, segundo Marx, sob dois aspectos. Primeiro, a relação do trabalhador com o produto do trabalho como a um objeto estranho que o domina. Segundo, a relação do trabalho com o ato da produção dentro do trabalho. Como resultado do processo de alienação do trabalho, Marx enumera as seguintes conseqüências: “o trabalho alienado aliena a natureza do homem, aliena o homem de si mesmo, o seu papel ativo, a sua atividade fundamental, aliena do mesmo modo o homem a respeito da espécie e transforma a vida genérica em meio da vida individual”.

Se o produto do trabalho é exterior e estranho ao trabalhador, a quem pertence então? Segundo Marx o produto do trabalho pertence a um ser estranho no processo da produção. O produto pertence a outro homem, necessariamente o que possui os meios de produção. Se o trabalho constitui um martírio para o trabalhador, tem de ser fonte de deleite para o dono dos meios de produção. Assim como o trabalhador aliena a própria atividade, também confere a um estranho a atividade que não lhe pertence.

Para concluir seus resultados, Marx demonstra que a propriedade privada constituiu o resultado do trabalho alienado. Com o desenvolvimento da propriedade privada, desvenda-se o seu segredo, para saber, de um lado, que ela é o produto do trabalho alienado e, por outro, que ela é o meio pelo qual o trabalho se aliena, a realização da alienação.

Comentários

Renan  - 10/12/2012

muito bom, abraços :) call me maybe

XIMENES  -

O grande mal é que ninguém quer trabalhar

O que você achou deste texto?       Nome:     Mail:    

Comente: 
Informe o código de segurança:          CAPTCHA Image                              

De sua nota para este Texto Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui