Usina de Letras
Usina de Letras
Usina de Letras
68 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

Artigos ( 52876 )
Cartas ( 21403)
Contos (12800)
Cordel (9226)
Crônicas (20396)
Discursos (3147)
Ensaios - (10230)
Erótico (21281)
Frases (43275)
Humor (21935)
Infantil (4502)
Infanto Juvenil (3261)
Letras de Música (5676)
Peça de Teatro (1371)
Poesias (139081)
Redação (2956)
Roteiro de Filme ou Novela (1092)
Teses / Monologos (2633)
Textos Jurídicos (2120)
Textos Religiosos/Sermões (4018)




= SERVIÇOS =
Patrocine um Autor
Vitrine
Copia CD
Facilidades para o QA
Nossa Proposta
Fale Conosco
Onde Estamos
Nota Legal
 




 
Busca | Placar | Assine/Renove | Quadro de Avisos: 1 2 | Ajuda | Autores | Central do Autor | Contato | Logoff
Serviços: Patrocine um Autor ou Texto | Vitrine | Cópia de seus Textos | | Publique seu E-BOOK|

Receba um aviso sempre que este autor publicar novos textos, clique aqui
Artigos-->A alienação do trabalho no pensamento de Karl Marx -- 24/08/2002 - 11:32 (FRANCISCO MACHADO)
Patrocine esse Autor Patrocine esse Texto envie este texto para um amigoveja outros textos deste autor
O TRABALHO ALIENADO NA OBRA DE KARL MARX

Segundo Karl Marx, a economia política tem inicio com o fator da propriedade privada. Ela não esclarece os fatores econômicos tais como a concorrência e o trabalho. O que põe em movimento a economia política são a avareza, a guerra entre os avarentos e a competição. A propriedade privada, espírito de aquisição, a separação do trabalho, capital e propriedade agrária, troca e concorrência, valor e desvalorização do homem, monopólio e concorrência. Todos esses fatores constituem um sistema de alienação, e o objetivo do texto é buscar a conexão fundamental entre eles.

Um fato econômico contemporâneo pode dar início à demonstração do trabalho alienado. O trabalhador torna-se tanto mais pobre quanto mais riqueza produz, quanto mais a sua produção aumenta em poder e extensão. Com a valorização do mundo das coisas aumenta em proporção direta a desvalorização do mundo dos homens. O objeto produzido pelo trabalho, o seu produto, opõe-se a ele como ser estranho, como um poder independente do produtor. A realização do trabalho constitui a objetivação deste. A realização do trabalho aparece na esfera da economia política como desrealização do trabalhador, a objetivação com perda e servidão do objeto, a apropriação como alienação.

A alienação do trabalho, primeiramente, deriva do fato de que o trabalhador se relaciona com o produto do seu trabalho como a um objeto estranho.A alienação do trabalhador no seu produto significa não só que o trabalho se transforma em objeto, mas que existe independentemente fora dele e a ele estranho.

Karl Marx procura entender mais de perto o fenômeno da objetivação, a produção do trabalhador e a alienação nele implicada. O trabalhador nada pode criar sem a natureza, sem o mundo externo sensível. Do mesmo modo que a natureza fornece os meios de existência do trabalho, ela proporciona os meios de existência própria das condições físicas do trabalhador. Deste modo, quanto mais o trabalhador se apodera pelo trabalho do mundo exterior, mais se priva dos meios de existência. Sendo assim, o trabalhador se torna escravo do objeto. Em primeiro lugar porque recebe um objeto de trabalho, e pelo fato de receber meios de subsistência. Deste modo o objeto habilita-o a existir inicialmente como trabalhador e por conseguinte como pessoa física.

Marx indaga: “em que consiste a alienação do trabalho?” Segundo Karl Marx, o trabalho é exterior ao trabalhador, ou seja, não pertence à sua característica. Por conseguinte, o trabalhador só se sente em si fora do trabalho, enquanto no trabalho se sente fora de si. Assim, o seu trabalho não é voluntário, mas imposto, é trabalho forçado. Assim chega-se à conclusão de que o homem só se sente livremente ativo nas suas funções animais.

A alienação do trabalhado humano nos aparece, segundo Marx, sob dois aspectos. Primeiro, a relação do trabalhador com o produto do trabalho como a um objeto estranho que o domina. Segundo, a relação do trabalho com o ato da produção dentro do trabalho. Como resultado do processo de alienação do trabalho, Marx enumera as seguintes conseqüências: “o trabalho alienado aliena a natureza do homem, aliena o homem de si mesmo, o seu papel ativo, a sua atividade fundamental, aliena do mesmo modo o homem a respeito da espécie e transforma a vida genérica em meio da vida individual”.

Se o produto do trabalho é exterior e estranho ao trabalhador, a quem pertence então? Segundo Marx o produto do trabalho pertence a um ser estranho no processo da produção. O produto pertence a outro homem, necessariamente o que possui os meios de produção. Se o trabalho constitui um martírio para o trabalhador, tem de ser fonte de deleite para o dono dos meios de produção. Assim como o trabalhador aliena a própria atividade, também confere a um estranho a atividade que não lhe pertence.

Para concluir seus resultados, Marx demonstra que a propriedade privada constituiu o resultado do trabalho alienado. Com o desenvolvimento da propriedade privada, desvenda-se o seu segredo, para saber, de um lado, que ela é o produto do trabalho alienado e, por outro, que ela é o meio pelo qual o trabalho se aliena, a realização da alienação.

Comentarios

Inclua  seu comentário                               

                                            

Nome:                               Mail:

 

                                              

CAPTCHA Image          

 

   Renan  10/12/2012 13:37
muito bom, abraços :) call me maybe    
   XIMENES 
O grande mal é que ninguém quer trabalhar    



De sua nota para este Texto             
Currículo do Autor Exibido: Contador disponível só para assinantes - Assine Aqui
 
Receba um aviso sempre que este autor publicar novos textos, clique aqui
Patrocine esse Autor Patrocine esse Texto envie este texto para um amigoveja outros textos deste autor





VITRINA DE E-BOOKS
OS PROBLEMAS DO PAÍS E A FALTA DE ATITUDE DOS POLÍTICOS
Nilza Paiva
SESMARIA DE OUTONO
José Ernesto Kappel
O SEQUESTRO DO DEPUTADO
Djalma Ferreira
VITRINA DE LIVROS IMPRESSOS
HISTÓRIAS QUE CONTAVA PARA O MEU NETO
Maria Hilda de J. Alão
FUTEBOL TAMBÉM É COISA DE MULHER
Maria Teresa Innecco Corrêas
Dona Joaquina do Pompéu-Sua História e a sua Gente
Deusdedit P.R. Campos
BACABA II - TODA A VERDADE SOBRE A GUERRILHA DO ARAGUAIA E A REVOLUÇÃO DE 1964
José Vargas Jiménez
Estação Jugular - Uma estrada para Van Gogh
Allan Pitz
Estação Poética - Jandira Costa
Ana Carolin
Lina e Lero e o Castelo Mágico - Lina et Lero et le Château Magique
Ana Carolina Vieira
Kôra: o pressentimento do dragão
Ana Flávia Abreu
Humor Vermelho - vol. 2
org. por Barbara Cassará
Humor Vermelho - vol. 1
Isabella Saes
Ninguém quer comer meu ovo
Chef Batato (Barbara Cassará, Tatiana Berlim e Tomaz Adour)
VERTIGEM LUNAR
Fernando Pellisoli
A Última Entrevista de José Saramago
José Rodrigues dos Santos
Seu Adolpho
Felipe Pena
O Melhor da Pior Parte
JBruno Graciano
Contente em Ler - Cineastas – Volume I
Varios Cineastas
Divulgue seu livro