Usina de Letras
Usina de Letras
Usina de Letras
125 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

Artigos ( 53297 )
Cartas ( 21472)
Contos (12814)
Cordel (9274)
Crônicas (20506)
Discursos (3151)
Ensaios - (10291)
Erótico (21360)
Frases (43690)
Humor (22040)
Infantil (4558)
Infanto Juvenil (3268)
Letras de Música (5689)
Peça de Teatro (1373)
Poesias (139478)
Redação (2960)
Roteiro de Filme ou Novela (1092)
Teses / Monologos (2637)
Textos Jurídicos (2134)
Textos Religiosos/Sermões (4048)




= SERVIÇOS =
Patrocine um Autor
Vitrine
Copia CD
Facilidades para o QA
Nossa Proposta
Fale Conosco
Nota Legal
 




 
Busca | Placar | Assine/Renove | Quadro de Avisos: 1 2 | Ajuda | Autores | Central do Autor | Contato | Logoff
Serviços: Patrocine um Autor ou Texto | Vitrine | Cópia de seus Textos | | Publique seu E-BOOK|

Receba um aviso sempre que este autor publicar novos textos, clique aqui
Contos-->Lixo (Luis Fernando Veríssimo) -- 02/08/2004 - 09:52 (CARLOS CUNHA / o poeta sem limites)
Este Autor não concorda com o uso de seus textos sem autorização prévia
Patrocine esse Autor Patrocine esse Texto envie este texto para um amigoveja outros textos deste autor







LIXO



Encontram-se na área de serviço. Cada um com o seu pacote de lixo. É a primeira vez que se falam.

- Bom dia.

- Bom dia.

- A senhora é do 610.

- E o senhor do 612.

- Eu ainda não lhe conhecia pessoalmente...

- Pois é ... - Desculpe a minha indiscrição, mastenho visto o seu lixo ...

- O meu quê?

- O seu lixo.

- Ah...

- Reparei que nunca é muito. Sua família deve ser pequena.

- Na verdade sou só eu.

- Humm. Notei também que o senhor usa muito comida em lata.

- É que eu tenho que fazer minha própria comida. E como não sei cozinhar .

- Entendo.

- A senhora também .

- Me chama de você.

- Você também perdoe a minha indiscrição, mas tenho visto alguns restos de comida em seu lixo. Champignons, coisas assim.

- É que eu gosto muito de cozinhar. Fazer pratos diferentes. Mas como moro sozinha, às vezes sobra.

- A senhora... Você não tem família?

- Tenho, mas não aqui.

- No Espírito Santo.

- Como é que você sabe?

- Vejo uns envelopes no seu lixo. Do Espírito Santo.

- É. Mamãe escreve todas as semanas.

- Ela é professora?

- Isso é incrível! Como você adivinhou?

- Pela letra no envelope. Achei que era letra de professora.

- O senhor não recebe muitas cartas. A julgar pelo seu lixo.

- Pois é ...

- No outro dia, tinha um envelope de telegrama amassado.

- É.

- Más notícias?

- Meu pai. Morreu.

- Sinto muito.

- Ele já estava bem velhinho. Lá no Sul. Há tempos não nos víamos.

- Foi por isso que você recomeçou a fumar?

- Como é que você sabe?

- De um dia para o outro começaram a aparecer carteiras de cigarro amassadas no seu lixo.

- É verdade. Mas consegui parar outra vez.

- Eu, graças a Deus, nunca fumei.

- Eu sei, mas tenho visto uns vidrinhos de comprimidos no seu lixo...

- Tranqüilizantes. Foi uma fase. Já passou.

- Você brigou com o namorado, certo?

- Isso você também descobriu no lixo?

- Primeiro o buquê de flores, com o cartãozinho, jogado fora. Depois, muito lenço de papel.

- É, chorei bastante, mas já passou.

- Mas hoje ainda tem uns lencinhos.

- É que estou com um pouco de coriza.

- Ah.

- Vejo muita revista de palavras cruzadas no seu lixo.

- É. Sim. Bem. Eu fico muito em casa. Não saio muito. Sabe como é.

- Namorada?

- Não.

- Mas há uns dias tinha uma fotografia de mulher no seu lixo. Até bonitinha.

- Eu estava limpando umas gavetas. Coisa antiga.

- Você não rasgou a fotografia. Isso significa que, no fundo, você quer que ela volte.

- Você está analisando o meu lixo!

- Não posso negar que o seu lixo me interessou.

- Engraçado. Quando examinei o seu lixo,decidi que gostaria de conhecê-la . Acho que foi a poesia.

- Não! Você viu meus poemas?

- Vi e gostei muito.

- Mas são muito ruins!

- Se você achasse eles ruins mesmos, teria rasgado. Eles só estavam dobrados.

- Se eu soubesse que você ia ler ...

- Só não fiquei com ele porque, afinal, estaria roubando. Se bem que, não sei: o lixo da pessoa ainda é propriedade dela?

- Acho que não. Lixo é domínio público.

- Você tem razão. Através dos lixo, o particular se torna público. O que sobra da nossa vida privada se integra com a sobra dos
outros. O lixo é comunitário. É a nossa parte mais social. Será isso?

- Bom, aí você já está indo fundo demais no lixo. Acho que...

- Ontem, no seu lixo.

- O quê?

- Me enganei, ou eram cascas de camarão?

- Acertou. Comprei uns camarões graúdos e descasquei.

- Eu adoro camarão.

- Descasquei, mas ainda não comi. Quem sabe a gente pode... Jantar juntos?

- É. Não quero dar trabalho.

- Trabalho nenhum.

- Vai sujar a sua cozinha.

- Nada. Num instante se limpa tudo e põe os restos fora.

- No seu lixo ou no meu...


Luis Fernando Veríssimo





Visite a minha página clicando aqui

CARLOS CUNHA/o poeta sem limites

dacunha10@hotmail.com






Comentarios

Inclua  seu comentário                               

                                            

Nome:                               Mail:

 

                                              

CAPTCHA Image          

 

   gabriela  09/06/2012 18:30
euuuu adorei essa crÔnica do luiz fernando verissimo eu a te tou fazendo a crÔnica dele    
   monique texeira  09/04/2012 09:54
ese livro e muito bom    
   willy  11/11/2011 00:14
Adorei esse texto " O lixo " , o professor Guedes passsou um trabalho pra eu e minha cunhada apresentar uma peça, no qual ele é o professor (direitor),e eu estou amando esse texto se bem quê, eu ainda não gravei 100% mas em breve estarei com ele na ponta da língua !! Valeu ai pessoal adorei o texto !!!!    
   GilmardeAlmeida Santos  01/11/2011 22:11
gostei muito do texto quero saber como faço para adquirir os direitos autorais    
   lays  08/08/2011 11:45
bom esse conto fala muito sobre o lixo, bom eu acho assim que a agente nao deve ta basculhando cooisas aleias......    
   reh  10/05/2011 15:07
adoreiiiii. mt bom o texto! fiz 1 trabalho dele!    
   amanda  03/05/2011 17:37
parabens amei esse texto
tou fazendo um trabalho sobre o lixo e vou mostrar esse tambem a minha professora ela vai adorar valeu e continui assim fazendo varios textos interessantes e que ajude tambem as pessoas a ver q nem toda as nossas coisas podemos jgar fora por que um dia ela poderar servir
bjao
by: amanda Santos s2
   
   Gilmar de Aleimeia  02/05/2011 20:24
O texto "O Lixo" me fascina gostaria muito de poder apresentá-lo quando for apresentar minhas esquetes em Maceió-Al no mes de agosto.Gostaria de saber quanto pagaria pelos direitos autorais ,apenas por uma noite ,em uma cidade pequena onde o teatro precisa resurgir.
Aguardo respostas

Grande abraço
Gilmar de Almeida

obs: Me apaixonei por ele quando estudei teatro e cinema na escola de ator Nilton Travesso, estudei cinema com o próprio Nilton,uma pessoas extraordinária ,rara de se encontrar ainda hoje.
   
   Gilmar de A. Santos  02/05/2011 20:16
Adoro esse texto, desdes quando estudei teatro em Sao Paulo na Escola deAtores Nilton Travesso.Gostaria muito de apresentá-lo em uma esquete que vou apresentar so por uma noite em Maceió em agosto, apenas uma noite. Quanto pagaria pelos direitos autorais ,apenas por uma noite em uma cidade pequena onde o teatro precisa resurgir.
Aguardo respostas

Grande abraço.
Gilmar de Almeida (Nome artístico)
   
   Lucas  17/11/2010 13:57
Muito bom!    
   Brenda Lanza  25/10/2010 10:18
áaain hj dia 25/10/2010 eu vou fazer uma prova agora atardi as 13:30 sobre esse texto,ele vai mi ajudar miut tomara ki eu tiire uns 8 néeh ? ja ki são as ultimas provas do ano
PS: esse texto e d+++ vou fazer um teatro sobre ele Parabéens Bjin


BY: Brendynha Lanza ♥
   



De sua nota para este Texto             
Currículo do Autor Exibido: Contador disponível só para assinantes - Assine Aqui
 
Receba um aviso sempre que este autor publicar novos textos, clique aqui
Patrocine esse Autor Patrocine esse Texto envie este texto para um amigoveja outros textos deste autor





VITRINA DE E-BOOKS
OS PROBLEMAS DO PAÍS E A FALTA DE ATITUDE DOS POLÍTICOS
Nilza Paiva
SESMARIA DE OUTONO
José Ernesto Kappel
O SEQUESTRO DO DEPUTADO
Djalma Ferreira
VITRINA DE LIVROS IMPRESSOS
HISTÓRIAS QUE CONTAVA PARA O MEU NETO
Maria Hilda de J. Alão
FUTEBOL TAMBÉM É COISA DE MULHER
Maria Teresa Innecco Corrêas
Dona Joaquina do Pompéu-Sua História e a sua Gente
Deusdedit P.R. Campos
BACABA II - TODA A VERDADE SOBRE A GUERRILHA DO ARAGUAIA E A REVOLUÇÃO DE 1964
José Vargas Jiménez
Estação Jugular - Uma estrada para Van Gogh
Allan Pitz
Estação Poética - Jandira Costa
Ana Carolin
Lina e Lero e o Castelo Mágico - Lina et Lero et le Château Magique
Ana Carolina Vieira
Kôra: o pressentimento do dragão
Ana Flávia Abreu
Humor Vermelho - vol. 2
org. por Barbara Cassará
Humor Vermelho - vol. 1
Isabella Saes
Ninguém quer comer meu ovo
Chef Batato (Barbara Cassará, Tatiana Berlim e Tomaz Adour)
VERTIGEM LUNAR
Fernando Pellisoli
A Última Entrevista de José Saramago
José Rodrigues dos Santos
Seu Adolpho
Felipe Pena
O Melhor da Pior Parte
JBruno Graciano
Contente em Ler - Cineastas – Volume I
Varios Cineastas
Divulgue seu livro