Usina de Letras
Usina de Letras
   
                    
Usina de Letras
89 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 55221 )
Cartas ( 21066)
Contos (12156)
Cordel (9592)
Crônicas (21295)
Discursos (3112)
Ensaios - (9914)
Erótico (13140)
Frases (40122)
Humor (17564)
Infantil (3566)
Infanto Juvenil (2310)
Letras de Música (5416)
Peça de Teatro (1311)
Poesias (135853)
Redação (2879)
Roteiro de Filme ou Novela (1035)
Teses / Monologos (2375)
Textos Jurídicos (1913)
Textos Religiosos/Sermões (4226)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Ensaios-->QUEM FOI MIGUEL RUSSOWSKY? -- 15/10/2009 - 16:55 (Filemon Francisco Martins) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos


QUEM FOI MIGUEL RUSSOWSKY?
(1923 – 2009)

Filemon F. Martins

Sábado, dia 03 de outubro de 2009 faleceu em Joaçaba, SC, o poeta Miguel Russowsky. Essa triste notícia me foi transmitida no dia 5/10/2009, via e-mail, por Angela Togeiro, poetisa e prosadora residente em Belo Horizonte-MG. Mas, afinal, quem foi Miguel Kopstein Russowsky?
Nosso ilustre Dr. Miguel Russowsky nasceu a 21/06/1923 em Santa Maria, Rio Grande do Sul, filho de Jacob Russowsky e Eva Russowsky. Casou-se com Vitória T. Russowsky, com quem teve quatro filhos: Leila Brunoni, June Braganholo, Miguel Igor Russowsky e Silvia Herter.
Estudou na Escola São José, em Jaguari e no Colégio Estadual Santa Maria, entre 1933 e 1940, tendo se formado em medicina em 1946, na URGS, em Porto Alegre.
Transferiu-se, posteriormente, para Joaçaba-SC, onde se tornou médico-empresário. Fundador e Diretor do Hospital São Miguel, de Joaçaba-SC, um dos maiores da região. Exerceu com denodo a medicina livre, atuando como clínico e cirurgia geral, até 2006. Mas, Miguel não era só médico, foi Enxadrista, com passagens nos jogos abertos de Santa Catarina, Empresário e proprietário de Hotéis, Cinemas e, sobretudo, um poeta-literato brilhante.
Um campeão em concursos nacionais e internacionais de poesias e trovas. Foi assim que conquistou uma legião de amigos e admiradores pelo Brasil e exterior. Sonetista por excelência e trovador dos mais fluentes, publicou vários livros, entre outros: CÉU D’ESTRELAS, O JULGAMENTO DE TIRADENTES, O SEGREDO DO PÂNTANO, POESIAS MELANCÓLICAS E OUTRAS POESIAS.
Nove (9) vezes Primeiro Prêmio em Sonetos, em concursos nacionais, e várias vezes em outras colocações. Onze (11) Primeiros Prêmios em concursos nacionais de poesias. Ocupou a Cadeira nº 28 da Academia Sul-Brasileira de Letras. Membro da UBT, da Casa do Poeta “Lampião de Gás”, do Movimento Poético, em São Paulo e outras Entidades Lítero-culturais, além de colaborador de jornais, revistas, como o FANAL, ESTRO, A FIGUEIRA, entre outros alternativos.
O poeta sempre foi um mestre em tudo quanto fez. Fazia elogios e críticas construtivas quando necessário. Em sua última correspondência a este autor, o mestre Miguel, com sua letra de médico, me dizia: “Lendo o seu O NASCIMENTO DE UM SONETO (Ótimo!! Nota 10!) adivinhei que você é um irmão, e por isso, é meu amigo, tá? Tivemos inspiração semelhante, pois este tema tenho explorado com frequência que me parece da mesma Mãe.”
E continua a fazer comentários sobre as minhas publicações em A FIGUEIRA: “Alvorecer, tem os dois tercetos finais brilhantes. Gostei, mas adoraria mais se você aceitasse o desafio de usar rimas mais ricas. Coisas de Amor tem um jeito bom, mas não está tão linear, como os demais e penso que – NÃO TEMA RIMAS DIFÍCEIS, TREINE, REFAÇA! Capacidade você tem.” E o professor Miguel não parou por aí, “Reminiscência é uma jóia. Você é bom mesmo. SE TREINAR, VEZ POR OUTRA, OUTROS SONS VAI CHEGAR A MESTRE! SEJA MENINO.” Desde então, venho tentando seguir as lições do mestre.
Transcrevi estas notas para mostrar o quanto me abalou a morte do poeta, de quem eu era um admirador incondicional. Seus sonetos são exemplos de perfeição. Gostava de exercitar seu humor sadio e inteligente, em suas produções, como nestes sonetos e trovas do poeta: ESTOU SÓ!... (DUVIDO)
Estou só?...(Não tão só: eu tenho esta caneta
que adora conversar. É discreta, fiel
e sempre me quis bem. Depois tem o papel
que apóia o meu trabalho e veste a camiseta.)
Eu, só?...(Só se quiser. A idéia, meu corcel,
se parece um “Sputnik”, vai a qualquer planeta,
não cansa de falar, toca flauta e trombeta
e traz ao meu silêncio, amadas em tropel).
Estou só?...Um pouquinho. (Aprendi que a saudade
desfaz da solidão, ao menos a metade
e o resto que sobrar, com jeito, vira pó)
Estou triste, é verdade. Entanto (quem diria?)
uma lágrima só, pode ser companhia.
Duvido, sendo assim, que eu esteja só.
TROVAS:
Na trova, às vezes invento
emoções... e não as sinto.
Mas creia no meu talento:
sou sincero quando minto.
Estudo trovas a fundo,
mas persisto na suspeita,
que a trova melhor do mundo
até hoje não foi feita.
Muita fome e pouca grana...
Pago o bife a prestação.
Vou entrar esta semana
no consórcio do feijão.
Miguel Russowsky era um jovem poeta de 86 anos, atento a tudo e a todos, mantendo saudável correspondência com seus amigos e admiradores de todo o Brasil, e sempre com lições edificantes na vida e na arte de fazer versos:
Domingo sem ninguém...De sentinela,
apenas o jornal...(e o cafezinho).
(Muitas vezes é bom estar sozinho
remexendo o Silêncio tagarela).
No meu bloco, três rimas adivinho
querendo desfilar na passarela.
A Inspiração, de pé, lá da janela,
se põe a espargir versos no caminho.
O meu lápis – batuta de maestro –
decifra as partituras que eu orquestro,
com muito orgulho de reger o show.
...E a dona Solidão também se achega
com seu porte senil de estátua grega
e me avisa: o soneto começou!
É verbete da ENCICLOPÉDIA DE LITERATURA BRASILEIRA, de Afrânio Coutinho e Graça Coutinho, edição do MEC-1990, com revisão de Graça Coutinho e Rita M. Botelho, edição revista e atualizada em 2001.
Vítima de acidente de carro no centro de Joaçaba, onde morava, silenciou o poeta aos 86 anos de idade. Deus o chamou para reger seu coro de poetas no céu, deixando-nos uma saudade dorida e indizível em nossos corações.

BIBLIOGRAFIA:
BLOG DO ARTCULTURALBRASIL (Rossyr Berny Editor)
WWW.FALANDODETROVA.COM.BR
QUARTA E QUINTA ANTOLOGIA POÉTICA DE A FIGUEIRA (1996-1998)
CORRESPONDÊNCIA EM PODER DO AUTOR DESTAS NOTAS COM PAPEL TIMBRADO DO HOSPITAL SÃO MIGUEL (HSM) –JOAÇABA – SC.

filemon.martins@uol.com.br
Caixa Postal 64
11740-970- Itanhaém – SP.
 

Comentários

Diógenes Pereira de Araújo  - 26/08/2014

Fiz um soneto para o amigo, grande poeta MIGUEL RUSSOWSKY, inspirado em outro soneto dele:


MIGUEL RUSSOWSKY


¿Por que, Miguel Russowsky, por que
me trouxeste essa angústia ao coração
de falar de sua morte? A morte não
o amedronta, bem sei, porém Você

um poeta com tanta inspiração
precisa ficar vivo e enquanto dê
criar muita poesia que se lê
com gosto e com profunda admiração

Bem sabe, a Poesia é Medicina:
se Você tem o ofício de ser médico
como poeta, tão enciclopédico,

com seus poemas cura e nos anima
E, quanto à morte, com sinceridade,
não vai vencer sua imortalidade.

Diógenes Pereira de Araújo

O que você achou deste texto?       Nome:     Mail:    

Comente: 
Informe o código de segurança:          CAPTCHA Image                              

De sua nota para este Texto Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui