Usina de Letras
Usina de Letras
   
                    
Usina de Letras
67 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 55338 )
Cartas ( 21071)
Contos (12177)
Cordel (9607)
Crônicas (21336)
Discursos (3113)
Ensaios - (9921)
Erótico (13147)
Frases (40245)
Humor (17570)
Infantil (3576)
Infanto Juvenil (2311)
Letras de Música (5419)
Peça de Teatro (1311)
Poesias (135954)
Redação (2881)
Roteiro de Filme ou Novela (1035)
Teses / Monologos (2375)
Textos Jurídicos (1913)
Textos Religiosos/Sermões (4239)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Ensaios-->Árvore de costado de Patrícia Orzil Tofani -- 17/01/2009 - 18:50 (Pedro Wilson Carrano Albuquerque) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
ÁRVORE DE COSTADO DE PATRÍCIA ORZIL TOFANI (até a 16ª geração)


PATRÍCIA:

1. Patrícia Orzil Tofani

PAIS:

2. José Carlos Mitraud Tofani. N. em 18.2.1956 em Belo Horizonte (MG).
3. Elissandra Maria Simões Orzil (nome de casada: Elissandra Maria Simões Orzil Tofani).

AVÓS:

4. Adail Tofani. Casou-se em Santa Luzia (MG) com Rut Sete Mitraud.
5. Ruth Sete Mitraud (nome de casada: Ruth Mitraud Tofani). N. em 9.1.1917 em Juqueri (MG).
6. Ataíde Enéas Orzil.
7. Maria José Simões (nome de casada: Maria José Simões Orzil)

BISAVÓS:

8. José Tofani
9. Laudelina de Miranda (nome de casada: Laudelina Tofoni).
10. José Mitraud
11. Jenny Augusta Sete Câmara (nome de casada: Jenny Sete Mitraud). N. em 18.7.1888 em Ponte Nova e faleceu em 7.2.1951 em Belo Horizonte.
14. José Simões Sobrinho.
15. Maria Ernestina Ferreira (nome de casada: Maria Ernestina Simões).

TRISAVÓS:

21. Joaquina Mitraud

22. Augusto Rodrigues Sete Câmara. N. em 5.1.1853 em Santa Cruz do Escalvado (atual Ponte Nova), Minas Gerais, onde foi celebrado, em 17.5.1884, seu casamento com Maria Francisca de Campos. Faleceu em 20.1.1953 em Lagoa Santa (MG).

23. Maria Francisca de Campos (nome de casada: Maria de Campos Sete Câmara). N. em 1.4.1864 em Ponte Nova (MG). Faleceu em 23.4.1944 em Belo Horizonte (MG).

28. Joaquim Simões Vieira

29. Maria Cândida de Oliveira

30. João Elias Ferreira

31. Maria Josefina de Oliveira

TETRAVÓS:

44. Luís Rodrigues Sete Câmara. N. em Ponte Nova (MG). Casou-se em primeiras núpcias com Maria Clara Sete Câmara (falecida em 22.11.1832 em São Francisco, Mariana, Minas Gerais). Em segundas núpcias, casou-se com Inácia Soares de Gouveia Horta.

45. Inácia Soares de Gouveia Horta.

46. Francisco Luís Pereira.

47. Francisca Maria Bueno.

PENTAVÓS:

88. Sebastião Rodrigues Sete e Câmara. N. na Freguesia de Barbeita (orago: São Salvador), Concelho de Monção, Distrito de Viana do Castelo, Portugal. Faleceu em 14.8.1810 em Mariana (MG), onde foi celebrado seu casamento com Teresa Joaquina Fidélis da Silva.

89. Teresa Joaquina Fidélis da Silva

90. Luís Soares de Gouveia.

91. Bárbara Eufrosina Rolim de Moura Horta. N. em Minas Gerais.

94. Francisco Machado da Costa

95. Maria Inácia Bueno


HEXAVÓS:

176. Antônia Rodrigues Sete. N. na Freguesia de Barbeita (orago: São Salvador), Concelho de Monção, Distrito de Viana do Castelo, Portugal, onde foi celebrado seu casamento com Maria Joana Gonçalves da Câmara.

177. Maria Joana Gonçalves da Câmara. N. na Freguesia de Barbeita (orago: São Salvador), Concelho de Monção, Distrito de Viana do Castelo, Arcebispado de Braga, Portugal.

178. Antônio Gonçalves Torres. N. em Furquim (MG).

179. Caetana Maria Engrácia do Sacramento. N. em Nossa Senhora da Conceição de Antônio Pereira (MG).

182. José Caetano Rodrigues Horta.

183. Bárbara Eufrosina Rolim de Moura. N. em 22.12.1773 em São Gonçalo do Sapucaí (MG). Faleceu em 6.11.1852 em Sabará (MG).

190. Domingos Marques Ferreira. N. em Congonhas do Campo (MG).

191. Gertrudes Maria Bueno.

HEPTAVÓS:

352. João Rodrigues Sete.

353. Maria Francisca de Jesus

354. Sebastião Gonçalves da Câmara

355. Patrícia Luísa da Cruz

356. Antônio Gonçalves Torres. N. na Freguesia de Bela (orago: Nossa Senhora das Neves), Concelho de Monção, Distrito de Viana do Castelo, Arcebispado de Braga, Portugal.

357. Mônica Maria de Sousa. N. na Freguesia de Vila do Conde (orago: São João Batista), Concelho de Vila do Conde, Distrito do Porto, Portugal.

358. Manoel da Costa Negreiros.

359. Maria Quitéria da Silva.

364. Coronel José Caetano Rodrigues Horta. Fidalgo da Casa Real. De seu casamento com sua prima Inácia de Arruda Pires, celebrado em Minas Gerais, originaram-se os seguintes filhos: Ana Francisca Joaquina de Oliveira Horta, Monsenhor Caetano Alves Rodrigues Horta, Maria Rodrigues Horta, José Caetano Rodrigues Horta, Francisco de Paula Rodrigues Horta, Antônia, Mariana e Inácia Rodrigues Horta e Francisca Constança Rodrigues Horta.

365. Inácia Maria Pires de Arruda (ou Inácia de Arruda Pires).

366. José Antônio Rolim de Moura. Casou-se em 1744 com Maria Barbosa de Lima.

367. Maria Barbosa de Lima. N. por volta de 1725. Faleceu em 24.7.1818 em Pouso Alegre (MG).

380. Domingos Marques Ferreira.

381. Leonor Maria de Jesus.

382. José Joaquim da Cunha Bueno.

383. Ana Joaquina do Nascimento.

OCTAVÓS:

712. Manoel Gonçalves Torres. N. na Freguesia de Bela (orago: Nossa Senhora das Neves), Concelho de Monção, Distrito do Viana do Castelo, Portugal.

713. Maria da Rocha.

714. Antônio Fernandes Negreiros. N. na Freguesia de Negreiros (orago: Santa Eulália), Concelho de Barcelos, Distrito de Braga, Portugal.

715. Margarida da Costa. N. na Freguesia de Vila do Conde (orago: São João Batista), Concelho de Vila do Conde, Distrito do Porto, Portugal.

717. Custódia Domingues.

728. Coronel Caetano Alves Rodrigues (ou Caetano Rodrigues Álvares d’Horta). N. em Lisboa, Portugal. Casou-se em 1716 em Santana de Parnaíba (SP), com procuração do noivo passada a Gaspar de Araújo, com Francisca Paes de Oliveira, com quem teve, pelo menos, o filho José Caetano Rodrigues Horta. Em 1733 e 1734 andou explorando o oeste mineiro, principalmente para abertura de estrada de tropa para Goiás. Em 1739 foi contratado pelo Governador de Minas, Martinho de Mendonça, para concluir a estrada de Pitangui até Vila Boa, por ser considerado abalizado sertanista, tendo executado o empreendimento.

729. Francisca Paes de Oliveira

730. Coronel Maximiano de Oliveira Leite. N. por volta de 1701 em Santana de Parnaíba (SP). Guarda-Mor das Minas do Carmo. Fidalgo da Casa Real. C. por procuração, em 1722, c. Inácia Pires de Arruda, com quem teve os filhos: Ana Ináciade Oliveira, Maria Inácia Paes de Oliveira, Mariana Pires de Oliveira, Inácia de Arruda Pires, Juliana Francisca de Oliveira, Doutor Francisco Paes de Oliveira e o Desembargador José Pires Monteiro de Oliveira.

731. Inácia Pires de Arruda. N. em Santana de Parnaíba (SP).

732. José de Moura Ribeiro.

733. Maria Paes de Almeida.

734. Francisco Barbosa de Lima. N. em Santo Amaro (BA), onde faleceu em 1745.

735. Maria Pires de Barros.

764. Francisco Bueno da Silveira. Fal. Em 1795.

765. Gertrudes Maria de Moraes Fajardo. Fal. Em 1793.

766. Manoel Francisco Rola. N. na Freguesia de Valadares (orago: Santa Eulália), Concelho de Monção, Distrito de Viana do Castelo, Portugal. Casou-se em Barra Longa (MG) com Joana Gonçalves Ribeiro.

767. Joana Gonçalves Ribeiro.

ENEAVÓS:

1428. Pedro Fernandes. N. na Freguesia de São Pedro Fins (orago: São Pedro), Concelho de Maia, Distrito do Porto, Portugal.

1429. Margarida Domingues. N. na Freguesia de Negreiros (orago: Santa Eulália), Concelho de Barcelos, Distrito de Braga, Portugal.

1430. Domingos João. N. na Freguesia de Rates (orago: São Pedro), Concelho de Povoa de Varzim, Distrito do Porto, Portugal.

1431. Ângela da Costa. N. na Freguesia de São Martinho de Bougado (orago: São Martinho), Concelho de Santo Tirso, Distrito do Porto, Portugal.

1434. Pedro Fernandes. V. nº 1428.

1435. Margarida Domingues. V. nº 1429.

1456. José Álvares d’Horta. N. em Lisboa, Portugal. Fidalgo.

1457. Maria Rodrigues. N. em Lisboa, Portugal.

1458. Francisco Paes de Oliveira Horta. Foi casado com Mariana Paes Leme. Pais de: Antônia Paes de Queiroz, Guarda-Mor Maximiano de Oliveira Leite, Maria Garcia, Bárbara Paes de Queiroz, Escolástica de Oliveira Paes, Francisca e Bento Paes de Oliveira e Capitão Francisco Paes de Oliveira Horta. Genro de Fernão Dias Paes, o Governador das Esmeraldas, seguiu com o sogro, em 1674, para o Sertão dos Cataguases, à procura das riquesas do Sabarabuçu. Após a descoberta de ouro no local, ali minerou durante algum tempo, voltando a São Paulo (SP) após ter enriquecido. Residiu, posteriormente em Santana de Parnaíba (SP), onde faleceu em 1701.

1459. Mariana Paes Leme. N. por volta de 1663. Fal. em 1738 em Santana de Parnaíba (SP).

1460. Francisco Paes de Oliveira. Horta. V. nº 1458.

1461. Mariana Paes Leme. V. nº 1459.

1462. Francisco Pires Ribeiro (também mencionado com os nomes de Francisco Dias da Silva e Francisco Monteiro de Alvarenga). Paulista. Foi sertanista muito ativo. Sobrinho de Fernão Dias Paes, acompanhou o Governador das Esmeraldas na jornada da Sabarabuçu, desde a partida de São Paulo em 1674 até o falecimento de seu tio em 1680. Conta Pedro Taques que Francisco usou do ardil de fazer arder aguardente numa vasilha, na presença do cacique de uma tribo que queria escravizar, dizendo que aquilo era água e que faria o mesmo com todos os rios da região se a tribo não se rendesse, o que logo se concretizou em face do pavor que infundiu no chefe indígena (procedimento semelhante foi atribuído a Bartolomeu Bueno da Silva, o Anhangüera). Casou-se em 1681 em Santana de Parnaíba (SP) com Maria de Arruda, com quem teve os seguintes filhos: Padre José Pires Monteiro, Maria e Francisco Pires, João Pires Ribeiro e Inácia Pires de Arruda..

1463. Maria de Arruda. N. em Santana de Parnaíba (SP).

1464. Diniz Dias Ribeiro.

1465. Maria da Luz. N. em São Paulo (SP).

1466. João Paes de Almeida. N. em Olinda (PE). Casou-se em 1694 em Itu (SP) com Maria Antunes de Moura.

1467. Maria Antunes de Moura. N. em São Paulo (SP).

1468. Francisco Barbosa de Lima. N. em Portugal.

1469. Isabel Gonçalves Moreira.

1470. Pascoal Leite Penteado. Fal. em 1707 em Cotia (SP).

1471. Luzia Leme de Barros.

1528. Capitão Baltazar da Veiga Bueno. Fal. em 1739. Casou-se em 1705, em São Paulo (SP), com Ana Maria da Silveira.

1529. Ana Maria da Silveira. Fal. em 1731.

1530. João Pedroso da Cunha Fajardo. N. por volta de 1682. Fal. em 1733.

1531. Susana Teles de Menezes. N. em Santos (SP). Fal. em 1779.

1532. Manoel Francisco Rola. N. na Freguesia de Valadares (orago: Santa Eulália), Concelho de Monção, Distrito de Viana do Castelo, Portugal.

1533. Maria Gonçalves. N. na Freguesia de Valadares (orago: Santa Eulália), Concelho de Monção, Distrito de Viana do Castelo, Portugal.

1534. Antônio Rodrigues Afonso. N. na Freguesia de Fontoura (orago: São Miguel), Concelho de Valença, Distrito de Viana do Castelo, Portugal.

1535. Bárbara da Silva Ribeiro.

DECAVÓS:

2916. Salvador de Oliveira d’Horta. Casou-se com Antônia Paes de Queiroz, com quem teve os filhos Catarina de Oliveira, Capitão Salvador de Oliveira Paes, Maria de Abreu, Francisco Paes de Oliveira Horta, Estevão Raposo, Isabel e Rafael de Oliveira. Fal. em 1669, com testamento.

2917. Antônia Paes de Queiroz. N. na Ilha de São Sebastião (SP). Casou-se duas vezes: a primeira com Salvador de Oliveira d’Horta e a segunda com Mateus de Siqueira e Mendonça (filho de Antônio de Siqueira de Mendonça e de Ana Vidal; fal. em 1680 em São Paulo). Filhos oriundos do 2º casamento: Maria e Isabel Paes de Siqueira.

2918. Capitão-Mor Fernão Dias Paes. Nasceu em São Paulo (SP) por volta de 1609. Descobridor das esmeraldas e seu governador, foi cidadão que deixou seu nome gravado na História do Brasil por diversos feitos que o imortalizaram, principalmente pelo que representou na expansão geográfica de nosso País. Desde 1638, devassou regiões dos atuais Estados do Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul, chegando até mesmo, segundo alguns autores, ao Uruguai. Uma de suas últimas entradas foi à Serra de Apucarana, nos sertões do Paraná, onde conquistou três tribos guaianás, trazendo-as para suas terras à margem do Rio Tietê, logo abaixo da Vila de Parnaíba, passando a ter em 1661, dessa forma, a administração de aldeia com cerca de quatro a cinco mil índios. Tendo recebido uma carta régia, datada de 21-SET-1664, recomendando-lhe prestasse todo auxílio possível a Agostinho Barbalho Bezerra em expedição para descobrimento de minas, resolveu, ele mesmo, procurar minas de prata e esmeraldas na região de Sabarabuçu. Com a patente que lhe foi dada de Governador das Esmeraldas, datada de 30-OUT-1672, e à custa de sua fazenda, Fernão Dias Paes, acompanhado de 674 homens e com mais de 64 anos de idade, partiu, em JUL-1674, para a descoberta da Sabarabuçu. Não é bem conhecida a rota da expedição, mas supõe-se que rumou para as cabeceiras do Rio das Velhas, vencendo a Serra da Mantiqueira, e passando por Paraopeba, Sumidouro do Rio das Velhas e Serro Frio. Não obtendo êxito na busca de minas de prata na Serra de Sabarabuçu, a bandeira entrou ainda mais pelo sertão. As dificuldades eram muitas, o que levou descontentes a conspirar contra Fernão Dias e tramar sua morte e a volta da bandeira a São Paulo. Presos os conspiradores, o "Caçador de Esmeraldas" mandou enforcar o líder do movimento: José Dias Paes, seu filho natural. Sete anos decorridos, escrevia do sertão, a 27-MAR-1681, poucos dias antes de seu falecimento: "... deixo abertas cavas de esmeraldas, no mesmo morro donde as levou Marcos de Azeredo, já defunto, cousa que há de estimar-se em Portugal". A morte do grande bandeirante deu-se em 1681 às margens do Rio das Velhas, quando se recolhia para o Sumidouro, em busca de D. Rodrigo de Castelo Branco. Fernão Dias Paes morreu pensando ter descoberto esmeraldas, mas os ourives portugueses proclamaram o pequeno valor das pedras verdes, que seriam simples turmalinas. A fortuna que encontrara não existia, mas a decepção dos paulistas logo ia se transformar em vitória, pois membros da bandeira iriam, pouco depois, encontrar jazidas de ouro. Certidão do Padre Domingos Dias, Reitor do Colégio dos Jesuítas da Vila de São Paulo, define bem a personalidade de Fernão Dias Pais, ao dizer que "foi um dos homens mais notáveis e principais desta capitania". Os restos mortais do Governador das Esmeraldas foram levados para São Paulo (SP), onde foram sepultados no Mosteiro de São Bento, ali sendo guardados até os nossos dias. Casou-se com Maria Garcia Bettimk (ou Maria Garcia Betting), com quem teve os seguintes filhos: Garcia Rodrigues Paes, Capitão-Mor Pedro Dias Leite, Custódia Paes, Isabel Paes, Mariana Paes Leme, Catarina Dias Paes, Maria Leite e Lucrecia Leme da Silva.

2919. Maria Garcia Betting.

2920. Salvador de Oliveira Horta. V. Nº 2.916.

2921. Antônia Pés de Queiroz. V. n] 2.917.

2922. Fernão Dias Paes. V. nº 2.918.

2923. Maria Garcia Betting. V. nº 2.919.

2924. Bento Pires Ribeiro. N. em São Paulo (SP). Foi Capitão-Mor e fez muitas entradas no sertão, onde conquistou grande número de índios bárbaros que levou à pia batismal e colocou sob a sua administração. Era prestimoso cidadão de São Paulo (SP). C. com Sebastiana Leite da Silva, com quem teve os seguintes filhos: Francisco e Bento Pires Ribeiro, Pascoal Leite da Silva, Inês Monteiro da Silva, Maria Leite Ribeiro, Salvador e José Pires. Faleceu em 1669 em bandeira no sertão do Brasil.

2925. Sebastiana Leite da Silva. N. por volta de 1628. Fal. em 1670.

2926. Francisco de Arruda e Sá. N. na Vila de Ribeira Grande, Ilha de São Miguel, Açores, Portugal. Ocupou os honrosos cargos de governança de Parnaíba (SP).. Casou-se em São Paulo (SP) com Maria de Quadros. Pais de : Ana de Arruda Castanho, Maria de Arruda (I), Isabel de Arruda, Antônia de Arruda, Capitão Manoel do Rego Cabral, João de Macedo, José de Sá, Maria de Arruda (II) e Fancisco de Arruda Sá. Fal. em 1684 em Santana de Parnaíba (SP).

2927. Maria de Quadros. N. em São Paulo (SP).

2928. Alexandre Ribeiro.

2929. Isabel Ribeiro.

2930. Leonardo Rodrigues Setúbal. N. no Porto, Portugal. Fal. em 1714 em São Paulo (SP).

2931. Catarina Correia Perestrelo. N. em São Paulo (SP).

2932. Francisco Paes Correia. Fal. em 1663 em Santana de Parnaíba (SP).

2933. Isabel de Proença de Almeida. N. no Rio de Janeiro (RJ).

2934. João de Moura Gavião. N. na Freguesia de São Julião, Concelho e Distrito de Lisboa, Portugal. Casou-se em 1661 com Maria da Luz Cardoso.

2935. Maria da Luz Cardoso. N. por volta de 1645.

2936. Domingos Nunes.

2937. Maria Barbosa de Lima.

2938. Gaspar Gonçalves Ordonho. N. em Itanhaém (SP). Casou-se com Ana Moreira. Pais de: Frei Jorge (carmelita), Padre Cosme Gonçalves Moreira, Capitão Diogo Gonçalves Moreira, Maria Gomes, Ana Lopes Moreira, Domingos e Custódia Moreira, Isabel Gonçalves Moreira, Ângela e Maria da Conceição Moreira e Catarina Gonçalves Moreira.

2939. Ana Moreira. Fal. em 1692 em São Paulo (SP).

2940. Francisco Rodrigues Penteado. N. em Pernambuco. Instruído em artes liberais, sendo excelente no tanger de viola, e destro na arte da música, seu pai mandou-o a Lisboa, onde freqüentou a Corte, ali aplicando seus conhecimentos apenas em bom tratamento e amizades. Resolvendo voltar para o Brasil, embarcou, em 1648, na frota de Salvador Correia de Sá e Benevides, com destino ao Rio de Janeiro (RJ), aí desembarcando com recomendação de instruir as filhas de Salvador Correia e o filho mais velho, Martim Correia. Passou, posteriormente, para a Vila de Santos (SP) e, logo após, para São Paulo (SP), contrtado para casar com um sobrinha de Fernando Dias Paes. Casou-se em São Paulo (SP) com Clara de Miranda, com quem teve os seguintes filhos: Francisco e Antônio Rodrigues Penteado, Andresa Leite, Manoel Correia Penteado, Pascoal Leite Penteado, João e José Correia Penteado. Após o casamento, estabeleceu-se com fazenda de cultura no termo da Vila de Parnaíba (SP). Fal. em 1673 em Santana de Parnaíba (SP).

2941. Clara de Miranda. Fal. em 1682 em São Paulo (SP).

2942. Pedro Vaz de Barros. N. por volta de 1645 em S. Paulo (SP). Herdeiro de grande fortuna, foi um dos maiores potentados de seu tempo. Como sertanista, é encontrado em 1667 seguindo, possivelmente, na vanguarda de Lourenço Castanho Taques, o Velho, cujo grosso da bandeira partiu em princípios de 1668 para o sertão dos índios cataguases, à procura de ouro. Regressando em 1670, não tardou a seguir novamente para o interior e, em 1673, ainda se achava em bandeira. Essas entradas, ao que parece, foram em direção de Minas Gerais, pois Pedro Vaz de Barros foi dos primeiros a descobrir ricos aluviões auríferos no Ribeirão do Carmo, no Tripuí e nas proximidades do Furquim, entre 1695 e 1696. Foi morador e proprietário da célebre Fazenda Quitaúna que, pelo número de casas e seu arruamento, parecia uma vila, com uma capela onde eram administrados sacramentos a mais de 600 almas. Muito ouro deve ter extraído da minas que encontrou, pois o seu inventário revela que ainda tinha, ao falecer, grande quantidade do metal precioso em pó. C. c Maria Leite de Mesquita. Pentavós do Dr. Prudente José de Moraes Barros, Presidente da República do Brasil de 1894 a 1898. Filhos do casal: Beatriz de Barros, Luzia Leme de Barros, Isabel Paes de Barros, Lucrécia Leme de Barros, Maria Pires, Maria Leite Pedroso, Domingos Rodrigues, Antônio Pedroso de Barros, Capitão João Leite de Barros, Valentim Pedroso de Barros, Coronel Jerônimo Pedroso de Barros, José de Barros, Capitão Pedro Vaz de Barros, Francisco de Barros, Manoel Pedroso Barros e Padre Eusébio Pedroso de Barros. Fal. por volta de 1697 (testamento de 22-MAR-1695) em São Paulo (SP).

2943. Maria Leite de Mesquita. Fal. em 1732 em São Paulo (SP).

3056. Baltazar da Costa da Veiga. N. em São Paulo (SP), onde casou-se com Maria Bueno de Mendonça. Pedro Taques diz, em sua Nobiliarquia Paulistana, Histórica e Genealógica, que Baltazar foi nobre cidadão de São Paulo, onde serviu em todos os cargos da República, foi potentado em arcos e possuiu abundantes lavouras de trigo e outros produtos, com grande criação de gado bovino. Faleceu em São Paulo em 24.8.1700.

3057. Maria Bueno de Mendonça. Fal. em 1709 em São Paulo (SP).

3058- Salvador Cardoso de Almeida. Foi Juiz de Órfãos em São Paulo (SP), tendo recebido o ofício de seu sogro como dote de casamento. C. c. Ana Maria da Silveira, com quem teve dez filhos: José Raposo da Silveira, Domingos Cardoso, Isabel da Silveira Cardoso, Maria e Matias Cardoso de Almeida, Antônio Cardoso da Silveira, Ana Maria da Silveira, Mariana Cardoso e Salvador Cardoso de Almeida. Fal. em 1690 em S. Paulo (SP), com testamento.

3059- Ana Maria da Silveira. C. em primeiras núpcias c. Salvador Cardoso de Almeida e em segundas núpcias c. Paulo da Fonseca Bueno (fº de Diogo Bueno e de Maria de Oliveira; fal. em S. Paulo em 1702), tendo deste último casamento a filha Maria da Silveira Bueno.

3060. Cristóvão da Cunha. Fal. em 1697.

3061. Maria de Moraes Barros. Fal. em 1731.

3062. Gregório Teles de Menezes.

3063. Isabel de Estradas.

3068. João Afonso. N. na Freguesia de Fontoura (orago: São Miguel), Concelho de Valença, Distrito de Viana do Castelo, Portugal.

3069. Domingas Valente. N. na Freguesia de Fontoura (orago: São Miguel), Concelho de Valença, Distrito de Viana do Castelo, Portugal.

3070. Bento da Silva Alvarenga. N. em Nazaré Paulista (SP).

3071. Joana da Silva Santa Maria. N. em Nazaré Paulista (SP).


DÉCIMOS PRIMEIROS AVÓS:


5832. Rafael de Oliveira. N. por volta de 1572 em Portugal. Foi sertanista que tomou parte na bandeira do Capitão André Fernandes, ao Paraúpava, à procura dos índios apuatiaras, em 1613, na de Lázaro da Costa, em 1615, a Santa Catarina, e na de Sebastião Preto, em 1623, ao Guairá. Casou-se em primeiras núpcias, em São Paulo (SP), com Paula Fernandes e em segundas núpcias, antes de 1621, com Catarina de Figueiredo de Horta. Fal. em 1648 em São Paulo (SP).

5833. Catarina de Figueiredo d’Horta. N. em Setúbal, Portugal. Fal. em 1621 em São Paulo (SP).

5834. Gaspar Picão (ou Gaspar Picam). Capitão. N. em Santos (SP). Foi proprietário do Engenho da Praia do Barro, em São Sebastião (SP), onde recebeu sesmaria. Com Catarina de Oliveira Cotrim teve, pelo menos, os seguintes filhos: Paula de Oliveira, Estevão Raposo Bocarro Sênior, Antônia Paes de Queiroz e o Capitão Diogo de Escobar Ortiz.

5835. Catarina de Oliveira Cotrim (ou Catarina de Oliveira). N. em São Sebastião (SP).

5836. Pedro Dias Paes Leme. N. em S. Paulo (SP). Foi bandeirante que realizou entradas antes de 1633. Foi pessoa muito estimada e respeitada, tendo ocupado, muitas vezes, cargos públicos em São Paulo, onde teve o posto de Capitão da Milícia da Vila. C. c. Maria Leite (ou Maria Leite da Silva), com quem teve os seguintes filhos: Fernão Dias Paes, o "Governador das Esmeraldas", Pascoal Leite Paes, Pedro Dias Leite, João Leite da Silva, Maria Leite, Isabel Paes da Silva, Potência Leite, Verônica Dias Leite e Sebastiana Leite da Silva. Fal. em 1633 em São Paulo (SP), tendo sido sepultado na Capela-Mor da Igreja do Carmo.

5837. Maria Leite (ou Maria Leite da Silva). N. em S. Paulo (SP), onde fal. em 1670.

5838. Garcia Rodrigues Velho. Paulista. Foi prestigioso cidadão de São Paulo, potentado em arcos, como mencionado por Silva Leme. Tomou parte em várias entradas ao sertão e muito se salientou na luta dos Pires e Camargos. Do casamento com Maria Betting originaram-se os seguintes filhos: Miguel Rodrigues Velho, Maria Garcia Betting, Jorge Rodrigues Velho, Antônio Rodrigues Velho, Ana Maria Rodrigues Garcia, Coronel Garcia Rodrigues Velho, Custódia Dias e José Rodrigues Betting. Fal. em 1671 em S. Paulo (SP).

5839. Maria Betting.

5840. Rafael de Oliveira. V. nº 5832.

5841. Catarina de Figueiredo d’Horta. V. nº 5833.

5842. Gaspar Picão. V. nº 5.834.

5943; Catarina de Oliveira Cotrim. V. nº 5835.

5844. Pedro Dias Paes Leme. V. nº 5836.

5845. Maria Leite da Silva. V. nº 5837.

5846. Garcia Rodrigues Velho. V. nº 5838.

5847. Maria Betting. V. nº 5839.

5848. Salvador Pires de Medeiros. Paulista. Foi capitão da gente de São Paulo pelos anos de 1620, como pessoa das principais da terra, como declarado na sua patente, registrada na Câmara de São Paulo. Estabeleceu-se na serra ou sítio do Ajuá, onde teve uma fazenda de grandes culturas e uma dilatada vinha, da qual, em todos os anos, obtinha excelente vinho, com muita abundância. Fundou a capela da mártir Santa Inês, cuja devoção tomou por ter a santa o mesmo nome de sua mulher, Inês Monteiro de Alvarenga, com quem teve os filhos Alberto Pires, Maria Fernandes Pires, Antônio Pires de Medeiros, Isabel Pires de Medeiros, Maria Pires de Medeiros, Ana Pires de Medeiros, Bento Pires de Medeiros, Maria Pires Fernandes, Salvador Pires de Medeiros e João Pires Monteiro. Doou, com sua mulher, a Bartolomeu Bueno, as terras que herdara de seus pais, em escritura de 1625.

5849. Inês Monteiro de Alvarenga. Cognominada “a Matrona”.

5850. Pedro Dias Paes Leme. V. nº 5836.

5851. Maria Leite da Silva. V. nº 5837.

5852. Gonçalo Vaz Botelho de Sampaio. N. em 1590 em São Roque, Ilha de São Miguel, Açores, Portugal. Casou-se em 15.11.1622 em Ribeira Grande, Ilha de São Miguel, Açores, Portugal, com Ana da Costa de Arruda.

5853. Ana da Costa de Arruda. N. em Ribeira Grande, Ilha de São Miguel, Açores, Portugal.

5854. Bartolomeu de Quadros. N. em São Paulo (SP), onde foi celebrado seu casamento, em 1635, em São Paulo (SP), com Isabel Bicudo de Mendonça, com quem teve os seguintes filhos: Antônio de Quadros, Bartolomeu de Quadros, Bernardo de Quadros, Maria de Quadros, Cecília Ribeiro, Isabel de Quadros, Ana de Quadros, Estefânia de Quadros e Baltazar de Quadros. Faleceu em 1649 em São Paulo (SP).

5855. Isabel Bicudo de Mendonça (ou Isabel Bicudo). N. em São Paulo (SP).

5856. Manoel Ribeiro da Silva.

5857. Branca Serrão. N. na Bahia. Fal. em 16.6.1679 no Rio de Janeiro (RJ).

5858. Diniz Dias.

5859. Margarida de Aguiar.

5860. Manoel Rodrigues Setúbal.

5861. Maria de Almeida. N. no Porto, Portugal.

5862. João de Moura Gavião. V. nº 2934.

5863. Maria da Luz Cardoso. V. nº 2935.

5866. Francisco Vaz Coelho. N. em Portugal.

5867. Isabel de Almeida e Proença. Fal. em 1624 em São Paulo (SP).

5868. Manoel de Fonseca e Moura.

5869. Catarina Correia Perestrelo.

5870. Gabriel Antunes Maciel. Com Mécia Cardoso teve os filhos: João e Gabriel Antunes Maciel, Maria da Luz Cardoso e Antônio Antunes Maciel. Fal. em 1649, em Santos (SP), com testamento.

5871. Mécia Cardoso. C. em primeiras núpcias c. Gabriel Antunes Maciel e em segundas núpcias, antes de 1659, c. Francisco da Fonseca Aranha. Teve com o 2º esposo os filhos: Isabel Cardoso, Margarida Cardoso da Fonseca, Francisca Cardoso e Salvador da Fonseca.

5876- Diogo Gonçalves Ordonho (ou Diogo Gonçalves). Teve com Ana Lopes, pelo menos, o filho Gaspar Gonçalves Ordonho.

5877- Ana Lopes. Fal. em 1692 em São Paulo (SP).

5878- Alferes Jorge João. N. em Portugal. Casou por volta de 1590 com Maria Gomes Moreira, com quem teve, pelo menos, a filha Ana Moreira.

5879- Maria Gomes Moreira.

5882. Antônio Rodrigues de Miranda. N. em Lamego, Viseu, Portugal. Casou-se com Potência Leite, com quem teve os seguintes filhos: Maria Leite de Miranda, Pascoal Leite de Miranda, Clara de Miranda, Sebastião Leite de Miranda, Antônio Rodrigues de Miranda, Isabel de Miranda, Sebastiana Leite de Miranda, Madalena Leite de Miranda, Mariana de Miranda, Potência Leite e João Leite de Miranda. Fal. por volta de 1637 em São Paulo (SP).

5883. Potência Leite. Fal. em 1689 em São Paulo (SP).

5884. Antônio Pedroso de Barros. N. em torno de 1610 em S. Paulo (SP), onde fal. em 1652. Teve fazendas em Apoterebu, à margem do Rio Tietê, no Guaré e em Jaguari. Possuiu cerca de quinhentos índios administrados, pois foi bandeirante dos mais ativos. Em 1637 tomou parte em uma bandeira destinada ao Rio Grande do Sul, chefiada por Francisco Bueno, e em 1641 em uma outra que foi destroçada em Mbororé, pequeno arroio da margem direita do Rio Uruguai. Regressando em maio de 1652 de bandeira nas regiões sulinas, onde aprisionou índios carijós e guaianás, morreu assassinado, havendo duas versões a respeito: a primeira, acolhida por Afonso de Taunay, dizia que foi morto pelo cunhado Alberto Pires, que o acusou de adultério c. sua mulher Leonor de Camargo Cabral, morta também na ocasião; a segunda, informava ter sido morto em levante de seus índios na Fazenda Apoterebu. Teve c. a esposa Maria Pires de Medeiros, com quem casara em São Paulo (SP) em 1639: Pedro Vaz de Barros, Antônio e Inês Pedroso de Barros e Luzia Leme de Barros. Teve, também: Sebastiana e Paula (filhos de Maria Pequena), Pascoal (filho da índia Vitorina) e Ventura (filho da índia Iria).

5885. Maria Pires de Medeiros. N. em São Paulo (SP). Fal. em 1651.

5886. Domingos Rodrigues de Mesquita. N. em Torre de Moncorvo, Distrito de Bragança, Portugal. C. em 1636 em S. Paulo (SP) c. a viúva Maria Dias, com quem só teve uma filha (Maria Leite).

5887. Maria Dias. C. em primeiras núpcias c. Diniz Cardoso (n. na Freguesia de Santo Antão do Tojal, Concelho de Loures, Distrito de Lisboa, Portugal) e em segundas núpcias c. Domingos Rodrigues de Mesquita. Não houve filhos oriundos do primeiro casamento. Fal. em 1669 em S. Paulo (SP).

6112- Jerônimo da Veiga. N. por volta de 1581 em Santos (SP). Em 1609, residia em São Paulo (SP) com seu irmão Belquior da Veiga. Foi um dos maiores sertanistas do seu tempo, tomando parte em muitas expedições, entre as quais a de Antônio Pedroso de Alvarenga ao sertão do Paraúpava, em 1615, a de Henrique da Cunha Gago, o Velho, ao Guairá, em 1623, e a de João Pereira, aos índios guarulhos, em 1643. Foi, também, pesquisador de ouro. Filhos oriundos do casamento c. Maria da Cunha: João e Antônio da Veiga, Baltazar da Costa da Veiga, Jerônimo da Veiga, Belquior da Costa Veiga, Lourenço e Gaspar da Veiga, Estácia da Cunha e Manoel Correia da Veiga. Fal. a 02-DEZ-1660 em S. Paulo (SP).

6113. Maria da Cunha. F. em 1670 em São Paulo (SP).

6114. Amador Bueno. Paulista, nasceu por volta de 1611. Foi bandeirante que fez diversas entradas ao sertão visando à conquista de índios e pesquisa de minas. Em 1628, participou da bandeira de Antônio Raposo Tavares ao Guairá, tendo, então, apenas 17 anos de idade. Entre 1637 e 1638, andou nos sertões do sul brasileiro, na bandeira que assaltou a província jesuítica do Tape (região das bacias do Paraná e do Paraguai). C. em 1638 em S. Paulo (SP), c. Margarida de Mendonça, com quem teve os seguintes filhos: Maria, Bartolomeu e Francisco Bueno de Mendonça, Domingos Luís Bueno e Amador Bueno. Em 1641, foi ao Reino, com Luís da Costa Cabral e Baltazar de Borba Gato, em missão oficial da Câmara de São Paulo junto a D. João IV. Em 1647, exerceu o cargo de Juiz de Órfãos de São Paulo, onde fal. a 13-MAR-1683.

6115- Margarida de Mendonça.

6116- Matias Cardoso de Almeida. N. na Ilha Terceira, em Portugal. Foi ativo sertanista, tendo tomado parte em várias bandeiras, uma das quais, com Jerônimo Pedroso de Barros, destinada ao sul brasileiro (em 1641) e outra, provavelmente chefiada por Luís Pedroso de Barros, que atingiu terras do Peru (1656). Fal. durante esta última bandeira ao Peru, tendo sua morte sido comunicada em 1662. Foi casado em São Paulo c. Isabel Furtado. Pais de: Bárbara Cardoso, Salvador Cardoso de Almeida, Tenente-General Matias Cardoso de Almeida, Capitão Manoel Cardoso de Almeida e Catarina do Prado Cardoso.

6117- Isabel Furtado. N. em S. Paulo (SP). Fal. por volta de 1683, provavelmente em S. Paulo (SP).

6118- Antônio Raposo da Silveira. N. em Lisboa, Portugal. Armado Cavaleiro de São Tiago em 1641, em Goa, pela demonstração de bravura na defesa de um baluarte da Fortaleza de Águeda. Foi Capitão e Ouvidor da Capitania de São Paulo e recebeu do Rei, como prêmio por seus serviços, o ofício de Juiz de Órfãos de São Paulo, que deu em dote de casamento para seu genro Salvador Cardoso de Almeida. Do casamento com a prima Maria Raposo de Siqueira originaram-se os seguintes filhos: Capitão José Raposo da Silveira, Ana Maria e Felipa da Silveira, Mestre-de-Campo e Tenente-General Antônio Raposo da Silveira, João Raposo da Silveira e Maria da Silveira. Fal. em 1663, em S. Paulo (SP), com testamento, tendo sido sepultado ao pé do altar dos Remédios, no Mosteiro de São Bento.

6119- Maria Raposo de Siqueira. Fal. em 1709 em S. Paulo (SP).

6120. Cristóvão da Cunha de Unhate. Fal. em 1664 em São Paulo (SP).

6121. Mécia Vaz Cardoso.

6122. Pedro de Sousa Barros. Fal. em 1700 em Nazaré Paulista (SP).

6123. Mariana Pedroso de Moraes. N. por volta de 1637.

6140. Paulo da Silva Alvareenga.

6141. Luísa de Orens Palha.

DÉCIMOS SEGUNDOS AVÓS

11665. Maria Gonçalves

11666. Nuno Alves d’Horta. N. em Setúbal, Portugal.

11667. Ana de Carvalho.

11668. Gaspar Fernandes Palha. N. em Funchal, Ilha da Madeira, Portugal. Descendente de Rui Vaz de Almada, que recebeu do rei o apelido de Palha, juntamente com as armas.

11669. Antônia Requeixo de Peralta.

11670. Francisco de Escobar Ortiz. Oriundo da Capitania do Espírito Santo, foi o primeiro povoador da Ilha de São Sebastião (SP), onde obteve de Pedro Lopes de Sousa, Donatário da Capitania, cem léguas de terra para si e sua nobre geração. Foi proprietário de dois engenhos de açúcar, os primeiros que existiram na referida ilha, onde foi pessoa de grandes cabedais, com um navio de duas cobertas que navegava para Angola. Na Capitania do Espírito Santo deixou uma irmã chamada Antônia Escobar. Com sua esposa Inês de Oliveira Cotrim teve, pelo menos, a filha Catarina de Oliveira Cotrim. Fal. em São Sebastião (SP), com testamento, no ano de 1652.

11671. Inês de Oliveira Cotrim. Fal. na Ilha de São Sebastião (SP) em 3-AGO-1675, com testamento.

11672- Fernão Dias Paes. N. em Abrantes, Distrito de Santarém, Portugal. Em 1585, acompanhou Jerônimo Leitão a Paranaguá e em 1590 seguiu-o pelo Vale do Rio Tietê, combatendo tupiniquins hostis. Exerceu cargos do governo na Vila de São Paulo (SP). C. em S. Vicente (SP) c. Lucrécia Leme, com quem teve os filhos: Isabel Paes, Leonor Leme, Fernão Dias Paes Leme, Maria Leme, Pedro Dias Paes Leme, Luzia Leme e Luís Dias Leme. Fal. em 05-OUT-1605 em S. Paulo (SP).

11673- Lucrécia Leme. Fal. em São Paulo (SP) em 01-JUL-1641.

11674. Pascoal Leite Furtado. N. em Santa Maria dos Açores, Portugal. Foi fidalgo de linhagem. Veio para o Brasil em 1591 com Dom Francisco de Sousa, nosso 7o. Governador-Geral, e quando este delegado régio determinou a entrada de João Pereira de Sousa Botafogo, da Bahia, o acompanhou Pascoal, em 1595, ata a Vila de São Paulo, onde exerceu os cargos de Almotacel (em 1597) e de Vereador (em 1602). Casou-se em São Paulo (SP) com Isabel do Prado. Pais de: Isabel do Prado, Pascoal Leite Furtado, Úrsula Pedroso, Potência Leite, Maria Leite, Páscoa Leite e João Leite Furtado.
Faleceu em São Paulo (SP), na Fazenda dos Pinheiros (de sua propriedade), em 4-MAI-1614, com testamento.

11675. Isabel do Prado. N. em São Vicente (SP). Faleceu em 1668 em Santana do Parnaíba (SP).

11676- Garcia Rodrigues Velho. Paulista. Foi Capitão da Vila de São Paulo em 1609. Em 1612, fez uma entrada no sertão dos caiapós, tendo regressado no ano seguinte. Já se encontrava morto em 1623. Filhos oriundos do casamento com Catarina Dias: Garcia Rodrigues Velho, Miguel Rodrigues Garcia, Domingos Garcia, Mécia Rodrigues, Jorge Rodrigues Velho, Margarida Rodrigues e Manoel Garcia Velho.

11677- Catarina Dias. N. em S. Vicente (SP).

11678. Geraldo Betting. N. em Drusbruch, Ducado de Guelder, Alemanha. Veio para São Paulo em 1609, com o Governador Francisco de Sousa, para construir engenhos de ferro na Capitania. Participou de várias entradas, inclusive de algumas dirigidas ao Araçoiaba, ao Jaraguã e a Ibituruna. C. em São Paulo (SP) c. Custódia Dias.

11679. Custódia Dias. N. em São Vicente (SP).

11681. Maria Gonçalves. V. nº 11665.

11682. Nuno Alves d’Horta. V. nº 11666.

11683. Ana de Carvalho. V. nº 11667.

11684. Gaspar Fernandes Palha. V. nº 11668.

11685. Antônia Requeixo de Peralta. V. nº 11669.

11686. Francisco de Escobar Ortiz. V. nº 11670.

11687. Inês de Oliveira Cotrim. V. nº 11671.

11688 Fernão Dias Paes. V. nº 11672.

11689. Lucrecia Leme. V. nº 11673.

11690. Pascoal Leite Furtado. V. nº 11674.

11691. Isabel do Prado. V. nº 11676.

11692. Garcia Rodrigues Velho. V. nº 11676.

11693. Catarina Dias. V. nº 11677.

11694. Geraldo Betting. V. nº 11678.

11695. Custódia Dias. V. nº 11679.

11696. Salvador Pires. Paulista, figurou nas primeiras expedições contra o gentio hostil à vila nascente (São Paulo, SP), na segunda metade do Século XVI. Foi pessoa importante no governo da Vila de São Paulo, tendo exercido as funções de Procurador do Conselho em 1563 e Juiz Ordinário em 1573. Teve grandes lavouras, mantidas com a utilização de muitos trabalhadores, geralmente índios catequizados. Sua fazenda de cultura tinha uma légua de terras. Conforme Ata de 26-JUN-1563 do Conselho Municipal de São Paulo, de que era Procurador, proibiu aos moradores da vila o transporte de índios ou pessoas para outras localidades, mar ou sertão, para evitar a redução do número de habitantes do lugar e, conseqüentemente, uma maior vulnerabilidade diante do perigo de ataques de índios hostis. Sua primeira esposa tinha o sobrenome "Brito". Em segundas núpcias, foi casado com Mécia Fernandes, conhecida por Mécia-Açu. Filhos: Beatriz, Diogo, Amador e Domingos Pires (do primeiro casamento) e Maria Pires, Catarina de Medeiros, Ana Pires, Isabel Fernandes, Salvador Pires de Medeiros, João Pires, Custódia Fernandes e Antônio Pires (do segundo matrimônio). Faleceu em 1592 em São Paulo (SP)..

11697. Mécia Fernandes (ou Mécia-Açu). Segundo Maria Vicentina de Paula do Amaral Dick, no artigo "As primeiras mulheres paulistanas" publicado no periódico "D.O.Leitura", deve ter sido pessoa muito respeitada e possuidora de grandes qualidades, seja pelo chamamento indígena pelo qual se tornou lembrada (açu, com o significado de grande, considerável), seja por ter perdoado em 1612, por escritura pública, a Antônio Fernandes Aia, assassino de seu irmão Marcos Fernandes, seja por sua descendência ilustre.

11698. Antônio Rodrigues de Alvarenga. N. em Lamego, Distrito de Viseu, Portugal. Passou, a serviço do Rei, a ser um dos primeiros povoadores da Vila de S. Vicente, fundada em 1531 pelo Donatário Martim Afonso de Sousa, por concessão de D. João III. De S. Vicente passou para S. Paulo, conseguindo ali, por sua distinção, o respeito e veneração de todos. Foi proprietário, por mercê do Donatário, do Ofício de Tabelião do Judicial e Notas de São Paulo. Fal. a 14-SET-1614 em S. Paulo (SP), deixando testamento. C. em S. Vicente (SP) c. Ana Ribeiro. Pais de: Maria Pedroso, Inês Monteiro, Francisco de Alvarenga, Luís Monteiro, Estêvão Ribeiro de Alvarenga, Ana de Alvarenga, Antônio Pedroso de Alvarenga, Frei Bento, Tomásia de Alvarenga, Maria Rodrigues de Alvarenga e Jerônimo de Alvarenga.

11699. Ana Ribeiro. Silva Leme, em seu "Genealogia Paulistana", informa que seu nascimento se deu no Porto, Portugal. Tal informação não guarda consonância com depoimentos de Ana Ribeiro constantes do processo de canonização do Padre José de Anchieta, publicados na Revista da ASBRAP nº 3, onde é dito que seu nascimento ocorreu na Vila de São Vicente (SP) em torno de 1560. Fal. a 23-OUT-1647 em S. Paulo (SP) com testamento, tendo sido sepultada na capela-mor da igreja dos carmelitas, em jazigo próprio.

11700. Fernão Dias Paes. V. nº 11672.

11701. Lucrecia Leme. V. nº 11673.

11702. Pascoal Leite Furtado. V. nº 11674.

11703. Isabel do Prado. V. nº 11675.

11704. Jerônimo Botelho de Macedo. Casou-se na Ilha de Santa Maria, Açores, Portugal, com Guiomar Faleira Cabral. Pais de sete filhos, entre os quais Gonçalo Vaz Botelho.

11705. Guiomar Faleira Cabral.

11706. Capitão Francisco do Rego Cabral.

11707. Ana de Macedo (ou Ana deArruda).

11708. Bernardo de Quadros. Natural de Sevilha, Reino da Espanha. De nobre ascendência, ocupou em São Paulo (SP) os cargos de provedor e administrador das minas e de Juiz de Órfãos (em 1599). Casou-se em São Paulo com Cecília Ribeiro, originando-se deste casamento os filhos: Ascenço de Quadros, Bartolomeu de Quadros, Maria de Quadros, Estefânia Ramires, Benta das Neves e Bernardo Ribeiro de Quadros. Faleceu com testamento em 1642.

11709. Cecília Ribeiro. Natural do Porto, Portugal. Faleceu em São Paulo em 1642, com testamento.

11710. Capitão Manoel Pires. N. em S. Paulo (SP). Sertanista que aparece desde 1615 nas entradas com destino à região sul brasileira. Em 1628, esteve no Guairá, com a bandeira de Antônio Raposo Tavares, seu genro. Retornando a São Paulo, ingressou com violência no Colégio dos Jesuítas e promoveu outras arruaças que implantaram o terror na vila. Logo depois, assaltou o colégio dos mesmos padres em Barueri. Em 1641, encontrava-se no sertão a destruir obras dos padres inacinos. Foi um dos chefes da grande bandeira que foi destroçada em Mbororé no sul do Brasil. Teve fazendas em Parnaíba e Cotia, onde trabalhavam mais de cem escravos índios apresados no sertão. Silva Leme diz ter sido Manoel Pires um homem de grandes virtudes morais. Fal. antes de JUN-1659. Filhos oriundos do casamento c. Maria Bicudo: Padre Estêvão Rodrigues, Gonçalo Pires Bicudo, Capitão Nuno Bicudo de Mendonça, Salvador, Isabel e Ana Bicudo de Mendonça, Margarida Bicudo, Beatriz Furtado de Mendonça e Maria Bicudo.

11711. Maria Bicudo. Fal. em 1659 em Santana do Parnaíba (SP). O seu inventário, acompanhado de testamento, consta do Vol. XVI da publicação "Inventários e Testamentos", editada pelo Arquivo do Estado de São Paulo.

11714. Gonçalo Nunes Campo Maior.

11715. Margarida de Lima. N. em Angola. Fal. em 28.9.1675 no Rio de Janeiro (RJ).

11716. Antônio Diniz.

11717. Catarina Jorge.

11718. Alonso da Gaia.

11719. Maria de Aguiar.

11724. Manoel de Fonseca e Moura. V. nº 5868.

11725. Catarina Correia Perestrelo. V. nº 5869.

11726. Gabriel Antunes Maciel. V. nº 5870.

11727. Mécia Cardoso. V. nº 5871.

11752. Gaspar Ordonho (ou João Rodrigues Castelhanos?). N. em Castela.

11754- Cristóvão Gonçalves.

11758- Luís Gomes da Costa.

11759- Ângela Moreira.

11766. Pascoal Leite Furtado. V. nº 11674.

11767. Isabel do Prado. V. nº 11675.

11768. Pedro Vaz de Barros. N. no Algarve, Portugal. Fidalgo português. Residia em Lisboa quando veio para o Brasil, com o irmão Antônio Pedroso de Barros, com provisões do Donatário Lopo de Sousa para servirem no respectivo Governo. Em 18-AGO-1603 já se encontrava na qualidade de Capitão-Mor Governador da Capitania de São Vicente, onde se radicou definitivamente, estabelecendo-se com uma fazenda em Pinheiros, além de possuir o Sítio Itacoatiara e grande número de escravos índios. Em 1640, fundou a fazenda de criar do Rio Pequeno. Foi um dos maiores sertanistas dos primórdios do Século XVII. A partir de 1611 participou de bandeiras nas terras do Guairá, onde assaltou a redução de Paranambaré, apresando muitos selvícolas. Em 1623, estava no sertão dos abueus, fazendo parte da bandeira de Sebastião Preto, que aí faleceu. Em 1628, foi o chefe da vanguarda da grande expedição de Antônio Raposo Tavares e Manoel Preto ao Guairá, salientando-se pela sua audácia e infatigabilidade. Na Vila de São Paulo exerceu os cargos de Vereador, em 1619, e de Capitão da Vila, em 1624. Por duas vezes (em 1614 e 1626) foi com gente armada à sua custa em socorro dos habitantes de Santos, ameaçados por corsários holandeses. Seria meio cristão-novo, conforme declaração de seu irmão Antônio junto à Visitação na Bahia em 1591. Casou-se na Capitania de São Vicente c. Luzia Leme, com quem teve os seguintes filhos: Valentim de Barros, Antônio e Luís Pedroso de Barros, Pedro Vaz de Barros, Fernão e Sebastião Paes de Barros, Jerônimo Pedroso e Lucrécia Pedroso de Barros. Fal. em 1644 em S. Paulo (SP), com testamento.

11769- Luzia Leme. Fal. em 1655 em S. Paulo (SP).

11770. Salvador Pires de Medeiros. V. nº 5848.

11771. Inês Monteiro de Alvarenga. V. nº 5849.

11774. Pedro Dias Paes Leme. V. nº 5836.

11775. Maria Leite da Silva. V. nº 5837.

12224. Belquior da Costa da Veiga.

12225. Estácia Antunes.

12226. João da Cunha Gago. N. por volta de 1572 em São Paulo (SP).

12227. Catarina do Prado. N. em São Vicente (SP). Fal. em 1649 em São Paulo (SP).

12228. Amador Bueno de Ribeira, o Aclamado. Capitão-Mor e Ouvidor da Capitania de S. Vicente, a quem os paulistas de origem espanhola aclamaram rei em 1º-ABR-1641, em São Paulo (SP), fato considerado como o primeiro movimento nativista em terras americanas. Amador Bueno recusou a honra, declarando-se leal vassalo de D. João IV, Rei de Portugal. N. entre 1571 e 1581 e fal. entre 1646 e 1650. C. c. Bernarda Luís, com quem teve os filhos: Catarina de Ribeira, Amador Bueno (o Moço), Antônio Bueno, Isabel de Ribeira, Maria Bueno de Ribeira, Ana de Ribeira, Diogo, Bartolomeu e Mariana Bueno e Francisco Bueno Luís.

12229- Bernarda Luís.

12230. Francisco de Mendonça. N. na Ilha da Madeira, Portugal. C. em primeiras núpcias c. Maria Diniz (fª de Domingos Dias e de Clara Diniz) e em segundas núpcias c. Maria de Góes. Filhos: Catarina de Mendonça (do 1º casamento) e Domingos de Góes de Mendonça e Margarida e Isabel de Mendonça (do 2º matrimônio).

12231- Maria de Góes. Casou-se duas vezes: com Amador Lourenço da Cunha (filho de Amador Lourenço e de Maria da Cunha) e com Francisco Mendonça. Com Amador teve os seguintes filhos: Domingos Lourenço, João e Antônio Lourenço da Cunha, Ana, Maria, Isabel e Catarina da Cunha.

12234- Luís Furtado. N. em Monsanto de Caminha, Distrito de Viana do Castelo, Portugal. Por ocasião do falecimento de sua primeira esposa, em 1615, encontrava-se em bandeira no sertão, provavelmente na tropa do Capitão-Mor Lázaro da Costa. C. em primeiras núpcias após 1602, em São Paulo (SP), c. Felipa Vicente do Prado e em segundas núpcias, após 1615, c. Cosma Mendes. Filhos: Antônio, Isabel e Luzia Furtado (do primeiro casamento) e Luís Furtado (do segundo matrimônio). Fal. em São Paulo (SP) nos primeiros meses de 1636.

12235- Felipa Vicente do Prado. C. em primeiras núpcias c. Antônio Pereira de Avelar (fal. em 1602), com quem teve o filho Paulo Pereira de Avelar. C. em segundas núpcias c. Luís Furtado. Fal. em 1615 em S. Paulo (SP).

12238- Coronel João Raposo Bocarro. Em 1628, tomou parte na bandeira ao Guairá, comandada por Antônio Raposo Tavares. Em 1637, seguiu para o Rio Grande do Sul na expedição de Francisco Bueno. Encontrava-se em São Paulo em 1638, quando solicitou a concessão de uma sesmaria em terras próximas a São Paulo (sertão de Guarulhos) para si e seus filhos, alegando que era capitão de uma companhia de ordenanças sustentada à sua custa e que havia contribuído, nas ocasiões que se ofereceram, para o aumento e engrandecimento da nação. C. c. Ana Maria de Siqueira, com quem teve cinco filhos: João Raposo Bocarro, o Moço, Ana de Góes, Maria e Mécia Raposo de Siqueira e Isabel de Góes.

12239- Ana Maria de Siqueira.

12240- Henrique da Cunha Gago, o Velho. N. em torno de 1560 em S. Vicente (SP), passando a residir em Piratininga. Como sertanista, andou à procura de ouro na companhia de Afonso Sardinha, o Moço, de cuja bandeira também tomou parte em 1598, no sertão de Jeticaí, à caça do gentio. Participou da jornada de Nicolau Barreto ao Guairá em 1602, chegando a chefiar uma entrada. Fal. no sertão dos "Carijós", tendo feito testamento em 18-NOV-1623. C. três vezes: a primeira c. Isabel Fernandes, a segunda c. Catarina de Unhate e a terceira c. Maria de Pina. Filhos: Capitão Henrique da Cunha Gago, João Gago da Cunha, e Manoel da Cunha Gago (do 1º casamento), Cristóvão da Cunha de Unhate, Antônio da Cunha Gago, Francisco e Maria da Cunha e Felipa da Cunha Gago (do 2º casamento).

12241- Catarina de Unhate. Fal. em 1613.

12242. Gaspar Vaz Guedes. N. no Estado do Espírito Santo. Em 1628, acompanhou Antônio Raposo Tavares na sua entrada ao Guairá (região situada no antigo território do Paraguai, que abrangia a quase totalidade do atual Estado do Paraná). Considerado o fundador de Mogi das Cruzes (SP). C. em S. Paulo (SP) c. Francisca Cardoso.

12243- Francisca Cardoso. Fal. em 1611 em S. Paulo (SP).

12246. Pedro de Moraes Madureira.

12247. Ana de Moraes Pedroso. N. por volta de 1610. Fal. em 1646 em São Paulo (SP).

12282. Francisco Barreto Palha. N. no Rio de Janeiro (RJ).

12283. Mécia Ribeiro.


DÉCIMOS TERCEIROS AVÓS:

23332. Baltazar Nunes d’Horta. . N. em Setúbal, Portugal.

23333. Catarina de Faria Magro.

23334. Diogo Ferreira de Carvalho.

23335. Margarida Soares.

23338. Antônio Raposo. N. em Beja, Portugal, em 1558. Provavelmente, era descendente de André Pegas (12). Veio para o Brasil na armada de Diogo Flores de Valdez. Servia, em 1583, no Forte da Barra de Santos. Muito serviu a D. Francisco de Sousa quando o Governador esteve pela primeira vez a São Paulo, em diligência de minas em 1599, sendo, em função dos serviços prestados, armado Cavaleiro da Casa Real. Com todos os seus escravos, Antônio Raposo acompanhou Francisco de Sousa à Barra de Santos para combater corsários que ameaçavam aquele porto, tendo adotado o mesmo procedimento na tomada de uma embarcação holandesa que fundeara no referido porto. Na terceira vez que Francisco de Sousa passou por Santos, para determinar obras de fortificações, mais uma vez Antônio Raposo teve participação saliente nos serviços então executados. Exerceu na Vila de São Paulo os cargos de Almotacel, em 1590, Mamposteiro dos Cativos, em 1601, e de Vereador, de 1594 a 1615. Sertanista. Fez, em 1595, uma entrada ao local denominado Ibitirapoa. Em março de 1607, seguiu numa grande bandeira como imediato do mameluco Belquior Dias Carneiro e desceu o Rio Tietê, à procura dos índios caiapós. Tendo Belquior falecido já em alto sertão, Antônio Raposo assumiu o comando da expedição, tendo conseguido retornar ao povoado com o resto das praças em 1608. Tomou parte, ainda, em uma entrada que atingiu o Rio Paraúpava, em 1613, sob o comando de André Fernandes, de Parnaíba. Em 1628, com seu filho Antônio Raposo Pegas, foi ao Guairá, sob o comando de Antônio Raposo Tavares. Obteve sesmarias em Juqueri, Nhumirim e cabeceiras do Aricanduva. C. duas vezes: a primeira em Portugal c. Antolina Requeixo de Peralta (n. em Castela; fal. no Brasil) e a segunda em S. Paulo (SP) c. Isabel de Góes. Filhos: Antônia Requeixo de Peralta (do 1º casamento) e Estêvão Raposo, Coronel João Raposo Bocarro, Antônio Raposo Pegas, Manoel e Pedro de Góes Raposo, Branca Raposo, Susana, Joana, Isabel, Maria e Ana de Góes. Fal. em 7-JAN-1633 em São Paulo (SP).

23339. Antônia Requeixo de Peralta. N. em Castela. Fal. em Portugal.

23344- Pedro Leme. N. na Ilha da Madeira, Portugal. Fidalgo da Casa Real Portuguesa. Esteve no continente português na Corte de Dom João III. Teria vindo para o Brasil em 1530, na armada de Martim Afonso de Sousa, estabelecendo-se em São Vicente (SP). Acompanhou Jerônimo Leitão em lutas contra os índios. Combateu os tamoios no Rio de Janeiro, os carijós e tupiniquins do Tietê e os temiminós do Espírito Santo. Casou-se três vezes: a primeira c. Isabel Paes (fª de Fernando Dias Paes), a segunda na Ilha da Madeira c. Luzia Fernandes e a terceira com Gracia Rodrigues de Moura (fª de Gaspar Rodrigues de Moura). Filhos: Fernando Dias Paes (do 1º casamento) e Leonor Leme (do 2º casamento). Fal. em 1600 em S. Paulo (SP).

23345- Isabel Paes.

23346- Brás Teves (seu nome, no Brasil, foi alterado para Brás Esteves). N. e C. na Ilha da Madeira, Portugal. Foi, por muitos anos, morador em São Vicente, onde era proprietário do engenho de açúcar chamado de São Jorge dos Erasmos, que o tornou um homem abastado. Posteriormente, mudou-se com a família para a Vila de São Paulo, onde se estabeleceu e teve as rédeas do governo. Fal. antes de 1633, provavelmente em São Paulo (SP). Do casamento c. Leonor Leme originaram-se os filhos: Pedro, Mateus e Aleixo Leme, Brás Esteves Leme e Lucrécia Leme.

23347- Leonor Leme. Há um seu depoimento, de 7-ABR-1622, no processo de canonização do Padre José de Anchieta, em que informa: a) ter nascido em Óbidos, Portugal, e possuir, na ocasião, mais de 80 anos de idade; b) que conheceu muito bem ao Padre Anchieta, tendo assistido à primeira missa do sacerdote em São Vicente, em 1567; c) que o jesuíta era tido por santo por todos e com ele se confessou muitas vezes; d) tinha conhecimento de milagres realizados por Anchieta, que possuía o dom da profecia, tendo previsto a quebra da paz pelos tamoios. Fal. em 1633 em S. Paulo (SP).

23348- Gonçalo Martins Leite.

23349- Maria da Silva.

23350- João do Prado. N. em Olivença, Alentejo, Portugal. Descendente de família nobre, veio para o Brasil em 1530, na armada de Martim Afonso de Sousa. C. em S. Vicente (SP) c. Felipa Vicente, com quem teve os seguintes filhos: Isabel, Helena, Domingos, João e Catarina do Prado, Felipa Vicente do Prado, Maria, Martim, Pedro, Ana Maria e Clara do Prado. Realizou muitas entradas pelo sertão à procura de índios. Cidadão de grande relevo em São Paulo, exerceu diversos cargos na Câmara, inclusive o de juiz ordinário no período de 1588 a 1592. Fal. em FEV-1597 quando acompanhava o Capitão-Mor João de Sousa Botafogo em entrada que buscava minerais na Serra Sabarabuçu.

23351- Felipa Vicente. N. em Portugal. Fal. em 1627 em São Vicente (SP).

23352. Domingos Gonçalves Maia (ou Domingos Gonçalves da Maia). N. em Portugal. Fal. com testamento em 1627 em São Paulo (SP). C. em primeiras núpcias c. Isabel de Góes, com quem veio casado da Ilha da Madeira, Portugal, para povoar a Vila de São Paulo (SP). C., em segundas núpcias, c. Mécia Rodrigues tendo casado pela terceira vez c. Marta de Mendonça. Filhos: Garcia Rodrigues Velho e Inês Rodrigues (oriundos do segundo casamento) e Isabel Bicudo de Mendonça, Jerônima de Mendonça, Antônio Gonçalves de Mendonça, Vicente Bicudo, Manoel Gonçalves, Maria Bicudo e Sebastião Gonçalves de Barros (do terceiro matrimônio).

23353. Mécia Rodrigues.

23354. Domingos Dias. N. na Freguesia de Vimeiro (orago: São Miguel), Concelho de Lourinhã, Distrito de Lisboa, Portugal. C. em Portugal, pois já veio para o Brasil casado c. Mariana de Chaves. Aqui chegou logo após a fundação de São Vicente, onde exerceu cargos na respectiva Câmara, inclusive o de almotacel em 1580. Tomou parte, em 1585, na expedição de Jerônimo Leitão a Paranaguá, contra os índios carijós.

23355. Mariana de Chaves. N. em Portugal.

23356. Manoel Fernando Ramos.

23358. Manoel Fernandes Ramos. N. em Moura, Portugal. C. em São Paulo (SP) c. Susana Dias, com quem teve, os filhos André (fundador de Parnaíba, SP), Baltazar (fundador de Sorocaba, SP), Domingos (fundador de Itu, SP) e Pedro Fernandes, Custódia, Francisco e Benta Dias e Ângela e Isabel Fernandes. Em 1564 era Escrivão da Câmara e possuía uma fazenda ao lado de Ibirapuera. De 1575 a 1589, ano em que faleceu, exerceu vários cargos no Governo da Vila de São Paulo. Participou dos primeiros encontros com os índios tamoios, tupiniquins e carijós, tendo seguido na bandeira de Jerônimo Leitão a Paranaguá em 1585.

23359. Susana Dias. N. em São Vicente (SP) em torno de 1552. Era pessoa de prestígio, sendo citada em atas da Câmara Municipal de São Paulo. Em 30-JUN-1594, doou a seu genro Antônio Rodrigues umas casas de taipa cobertas de palhas de sua propriedade, localizadas na praça pública da Vila de São Paulo. Foi ouvida em 5-ABR-1622 no processo de canonização do Padre José de Anchieta. Fal. em Santana do Parnaíba (SP) em 1634.
.
23364. Baltazar Nunes d’Horta. V. nº 23332.

23365. Catarina de Faria Magro. V. nº 23333.

23366. Diogo Ferreira de Carvalho. V. nº 23334.

23367. Margarida Soares. V. nº 23335.

23370. Antônio Raposo. V. nº 23338.

23371. Antônia Requeixo de Peralta. V. nº 23339.

23376. Pedro Leme. V. nº 23344.

23377. Isabel Paes. V. nº 23345.

23378. Brás Teves. V. nº 23346.

23379. Leonor Leme. V. nº 23347.

23380. Gonçalo Martins Leite. V. nº 23348.

23381. Maria da Silva. V. nº 23349.

23382. João do Prado. V. nº 23350.

23383. Felipa Vicente. V. nº 23351.

23384. Domingos Gonçalves Maia. V. nº 23352.

23385. Mécia Rodrigues. V. nº 23353.

23386. Domingos Dias. V. nº 23354.

23387. Mariana de Chaves. V. nº 23355.

23390. Manoel Fernandes Ramos. V. nº 23358.

23391. Susana Dias. V. nº 23359.

23392. Salvador Pires. N. no Porto, Portugal, veio para o Brasil em 1531, com o pai, em companhia de Martim Afonso de Sousa, estabelecendo-se na Vila de S. Vicente (SP), como consta de uma carta de sesmaria que lhe concedeu o Governador Jerônimo Leitão em 1573. Teve com Maria Rodrigues os filhos Manoel e Salvador Pires. Américo de Moura, em artigo publicado na Revista do Instituto Histórico e Geográfico de São Paulo (Tomo XLVII), registra o seu entendimento de que o Salvador Pires aqui citado seria a mesma pessoa referida no tópico 15060, tida como seu filho.

23393- Maria Rodrigues. N. no Porto, Portugal, vindo para o Brasil (São Vicente) com seus pais e irmãos. Fal. no Estado de São Paulo antes de 1580.

23394- Antônio Fernandes. N. em Portugal. C. c. Antônia Rodrigues, com quem teve os filhos: Marcos, Antônio, Mécia, Isabel e Joana Fernandes.

23395- Antônia Rodrigues. N. no Brasil.

23396. Baltazar Álvares de Alvarenga Soeiro (ou Baltazar de Alvarenga). Com Mécia Monteiro teve os filhos Antônio Rodrigues de Alvarenga e Manoel Monteiro.

23397. Mécia Monteiro.

23398- Estêvão Ribeiro Baião Parente. N. em Beja, Portugal. Chegando de Portugal, estabeleceu-se em S. Vicente antes de 1558, passando a residir, por volta de 1575, em São Paulo (SP), com a esposa e filhos. Parece ter sido herdeiro único de seu pai, conhecido pela alcunha de João Vaqueiro. Em 3-JUN-1558, vendeu, com outorga de sua mulher, terras na região de São Vicente, por escritura, a Sebastião Fernandes Freire, mestre de açúcar. Foi Almotacel em São Paulo (SP) em 1587, 1588 e 1590. Em 1592, interferiu a favor dos padres da Companhia de Jesus na questão de proteção ao gentio. Obteve da Câmara, em 29-AGO-1598, sendo morador de muitos anos em São Paulo, chãos a partir da data de seu genro Antônio Rodrigues até o ribeiro Anhangobay, e, em 25-SET-1600, na mesma vila, comprou casas de Antônio deSiqueira e de sua mulher Vitória Pinto. Seu filho Ascenso Ribeiro, no “Processo Remissorial de São Paulo para a beatificação do Padre José de Anchieta”, declarou ter sido seu pai companheiro de jornadas de Anchieta e Baltazar Gonçalves o Velho, em seu depoimento no mesmo processo, disse que “ouviu a Estevão Ribeiro, que Deus tem, que foi companheiro de Anchieta por muito tempo, que o vira levitar em tempo de oração e que o mesmo gentio que o acompanhava pelos caminhos davam fé disso”. Com Madalena Fernandes Feijó Madureira teve: Ana e Cecília Ribeiro, Leonor e Pantaleão Pedroso e Estêvão e Ascenso Ribeiro. Faleceu depois de 1608.

23399- Madalena Fernandes Feijó Madureira. N. no Porto, Portugal.

23400- Pedro Leme. V. nº 23344..

23401- Isabel Paes. V. nº 23345.

23402- Brás Tevês. V. nº 23346.

23403- Leonor Leme. V. nº 23347.

23404. Gonçalo Martins Leite. V. nº 23348.

23405. Maria da Silva. V. nº 23349.

23406. João do Prado. V. nº 23350.

23407. Felipa Vicente. V. nº 23351.

23408; Nuno Gonçalves Botelho. Foi provedor do resíduo na Ilha de São Miguel, Açores, Portugal. Casou-se com sua prima segunda Isabel de Macedo.

23409. Isabel de Macedo.

23412. Gaspar do Rego.

23413. Margarida Coutinho.

23414. Sebastião de Arruda da Costa (ou Sebastião de Arruda).

23415. Estêvão Ribeiro Baião Parente. V. nº 23398.

23416. Madalena Fernandes Feijó Madureira. V. nº 23399.

23421. Beatriz Pires. Não é conhecido o nome do esposo.

23422. Antônio Bicudo Carneiro. N. na Ilha de S. Miguel, Arquipélago dos Açores, Portugal. C. em S. Paulo (SP), onde exerceu vários cargos governamentais, como os de Juiz em 1574 e 1584, de Vereador em 15675 e de Ouvidor da Capitania em 1585, quando mandou levantar pelourinho na vila. Como sertanista, participou das entradas de Afonso Sardinha, o Moço, ao sertão do Jeticaí, em 1593, de Nicolau Barreto, em 1602, e de Antônio Raposo Tavares9. C. em S. Paulo com Isabel Rodrigues, com quem teve os filhos: Antônio Bicudo, Domingos Nunes Bicudo, Maria Bicudo, Marta e Jerônima de Mendonça e Guiomar Bicudo.

23423. Isabel Rodrigues. N. em S. Paulo (SP).

23428. Gonçalo Nunes Campos Maior. Fal. antes de 1618.

23429. Branca Serrão.

23430. Manoel Pestana de Brito.

23431. Tomásia de Lima.

23438. Salvador Fernandes.

23439. Isabel Fernandes.

23452. Antônio Antunes. V. nº 11740.

23453. Maria Maciel. V. nº 11741.

23454. Antônio Lourenço Camacho. V. nº 11742.

23455. Isabel Cardoso. V. nº 11743.

23480. Antônio Rodrigues.

23481. Maria Peres.

23482. João Maciel. N. em Viana do Minho, Portugal. Passou ao Brasil com filhos antes de 1570, quando já se encontrava em São Paulo (SP). Fal. antes de 1609 em S. Paulo (SP). Com Paula Camacho teve os filhos: Ana e Maria Maciel, Catarina Camacho, João, André, Justa, Batista, Lucrécia e Domingos Maciel.

23483. Paula Camacho. N. em Viana, Portugal.

23484. Domingos Luís, o Carvoeiro. N. em Marinhota, Freguesia de Carvoeiro (orago: Santa Maria), Concelho e Distrito de Viana do Castelo, Portugal. Cavaleiro Professo da Ordem de Cristo. Cidadão influente de São Paulo (SP), Domingos Luís foi nomeado Capitão dos Índios em 1563 e Procurador do Concelho em 1575. Por volta de 1579, fundou a Capela de Nossa Senhora da Luz, no Bairro do Ipiranga, onde residia, transferindo-a, mais tarde, para o Sítio do Guará ou Guarepe, no Bairro da Luz. Em 1603, essa capela foi transferida para o lugar onde hoje existe o Recolhimento da Luz, fundado em fins de 1773 por Helena Maria do Espírito Santo, religiosa do Convento de Santa Teresa. Possuía terras no Ipiranga e, em 1594, era proprietário dos primeiros sobrados cobertos de telhas da Vila de São Paulo. Foi Vereador de São Paulo em 1596 e em 1607. C. em São Paulo (SP) em primeiras núpcias c. Ana Camacho e em segundas núpcias c. Branca Cabral (viúva de Simão da Costa). Com a 1ª esposa, Domingos teve os seguintes filhos: Inês Camacho, Leonor Domingues, Domingas e Bernarda Luís, Domingos Luís, o "Moço", Antônio Lourenço e Miguel Luís. Fal. por volta de 1613 em São Paulo (SP).

23495. Ana Camacho. Fal. em 1613, com testamento, em S. Paulo (SP), onde há um logradouro com o seu nome.

23486. Gaspar Vaz Guedes. V. nº 12242.

23487. Francisca Cardoso. V. nº 12243.
23518. Jorge Moreira. N. em Rio Tinto, Porto, Portugal. Foi um dos primeiros povoadores da Capitania de São Vicente (SP), tendo chegado àquela localidade em 1545. Pessoa de conhecida nobreza e de grande prestígio, foi, em 1550, um dos promotores da mudança da Vila de Santo André para a de São Paulo de Piratininga. Um dos fundadores de Santo André (SP), ali exerceu o cargo de Almotacel em 1557. Em 1561 chefiou uma expedição contra os índios do Vale do Rio Paraíba, da qual José de Anchieta participou como intérprete. Por diversas vezes, foi Juiz Ordinário da Câmara de São Paulo, tendo exercido também, em 1575, o cargo de Capitão da Vila. Foi Capitão-Mor e Governador da Capitania de São Vicente. Casou-se após 1575 com Isabel Velho, com quem teve os filhos: Ângela Moreira, Susana Moreira, Paula Moreira, Ana Moreira, Maria Moreira, Lucrécia Moreira, Custódia Moreira e Diogo Moreira.

23519. Isabel Velho.

23532. Gonçalo Martins Leite. V. nº 23348.

23533. Maria da Silva. V. nº 23349.

23534. João do Prado. V. nº 23350.

23535. Felipa Vicente. V. nº 23351.

23536- Jerônimo Pedroso. N. em Portugal. Com Joana Vaz de Barros teve: Antônio Pedroso de Barros e Pedro Vaz de Barros.

23537- Joana Vaz de Barros.

23538- Fernão Dias Paes. V. nº 11672.

23539- Lucrécia Leme. V. nº 11673.

23540- Salvador Pires. V. nº 11696.

23541- Mécia Fernandes (ou Mécia-Açu). V. nº 11699.

23542- Antônio Rodrigues de Alvarenga. Vide nº 11698.

23343- Ana Ribeiro. Vide nº 11697.

23548- Fernão Dias Paes. Vide nº 11672.

23549- Lucrécia Leme. Vide nº 11673.

23550- Pascoal Leite Furtado. Vide nº 11674.

23551- Isabel do Prado. Vide nº 11675.

24452. Henrique da Cunha Gago. V. nº 12240.

24453. Isabel Fernandes. Fal. em 1599 em S. Paulo (SP).

24454- João do Prado. Vide nº 23350.

24455- Felipa Vicente. Vide nº 23351.

24456. Bartolomeu Bueno de Ribeira. N. em Sevilha, Espanha. Em 1582, veio para o Brasil, em companhia de seu pai, na armada de Diogo Flores de Valdez, na qualidade de carpinteiro. Foi pessoa muito estimada por sua nobreza e elevadas qualidades morais. Exerceu diversos cargos públicos na Vila de S. Paulo, inclusive a de Aferidor em 1588, de Almotacel em 1591 e de Vereador em 1616. Pedro Taques informa que Bartolomeu foi Juiz Ordinário e de Órfãos em 1622, mas Francisco de Assis Carvalho Franco, em artigo publicado na Revista Genealógica Brasileira nº 5, revela que foi o filho com o mesmo nome que teve tal encargo em 1621, mesmo porque o pai era analfabeto, não possuindo, portanto, as condições necessárias para o exercício das funções de um juiz. Em 1620, 1623, 1624 e 1629 teve votos para vereador, mas não chegou a ser eleito. Para José Gonçalves Salvador, autor de "Os Cristãos-Novos - Povoamento e Conquista do Solo Brasileiro (1530-1680), Bartolomeu era portador da seiva hebréia, originando-se o apelido Bueno da forma primitiva Boino, utilizada na Espanha e Portugal por diversos judeus. C. em S. Paulo (SP) em 4-AGO-1590 c. Maria Pires, com quem teve os filhos: Amador, Francisco, Bartolomeu e Jerônimo Bueno, Maria, Mécia e Isabel de Ribeira.

24457- Maria Pires.

24458- Domingos Luís, o Carvoeiro. V. nº 23484.

24459- Ana Camacho. V. nº 23485.

24460. Domingos de Góes. N. na Ilha da Madeira. Fal. em 1627 em S. Paulo (SP). C. c. Catarina de Mendonça, com quem teve os filhos: Isabel de Góes e Francisco de Mendonça.

23461- Catarina de Mendonça. N. na Ilha da Madeira, Portugal.

23462- Domingos de Góes. Fal. em 1662 (ou 1672 ?) em Mogi das Cruzes (SP). Com Joana Nunes de Mendonça teve os filhos: João Furtado e Ana, Isabel, Susana e Maria de Góes.

23463- Joana Nunes de Mendonça. Fal. em 1645 em Mogi das Cruzes (SP).

24468- Simão Furtado. Com Catarina Luís teve, entre outros, os filhos Luís e Daniel Furtado.

24469- Catarina Luís.

24470- João do Prado. V. nº 23350.

24471- Felipa Vicente. V. nº 23351.

24476- Antônio Raposo. N. em Beja, Portugal, em 1558. Provavelmente, era descendente de André Pegas (12). Veio para o Brasil na armada de Diogo Flores de Valdez. Servia, em 1583, no Forte da Barra de Santos. Muito serviu a D. Francisco de Sousa quando o Governador esteve pela primeira vez a São Paulo, em diligência de minas em 1599, sendo, em função dos serviços prestados, armado Cavaleiro da Casa Real. Com todos os seus escravos, Antônio Raposo acompanhou Francisco de Sousa à Barra de Santos para combater corsários que ameaçavam aquele porto, tendo adotado o mesmo procedimento na tomada de uma embarcação holandesa que fundeara no referido porto. Na terceira vez que Francisco de Sousa passou por Santos, para determinar obras de fortificações, mais uma vez Antônio Raposo teve participação saliente nos serviços então executados. Exerceu na Vila de São Paulo os cargos de Almotacel, em 1590, Mamposteiro dos Cativos, em 1601, e de Vereador, de 1594 a 1615. Sertanista. Fez, em 1595, uma entrada ao local denominado Ibitirapoa. Em março de 1607, seguiu numa grande bandeira como imediato do mameluco Belquior Dias Carneiro e desceu o Rio Tietê, à procura dos índios caiapós. Tendo Belquior falecido já em alto sertão, Antônio Raposo assumiu o comando da expedição, tendo conseguido retornar ao povoado com o resto das praças em 1608. Tomou parte, ainda, em uma entrada que atingiu o Rio Paraúpava, em 1613, sob o comando de André Fernandes, de Parnaíba. Em 1628, com seu filho Antônio Raposo Pegas, foi ao Guairá, sob o comando de Antônio Raposo Tavares. Obteve sesmarias em Juqueri, Nhumirim e cabeceiras do Aricanduva. C. duas vezes: a primeira em Portugal c. Antolina Requeixo de Peralta (n. em Castela; fal. no Brasil) e a segunda em S. Paulo (SP) c. Isabel de Góes. Filhos: Antônia Requeixo de Peralta (do 1º casamento) e Estêvão Raposo, Coronel João Raposo Bocarro, Antônio Raposo Pegas, Manoel e Pedro de Góes Raposo, Branca Raposo, Susana, Joana, Isabel, Maria e Ana de Góes. Fal. em 7-JAN-1633 em São Paulo (SP).

24477- Isabel de Góes. Há um logradouro com seu nome em São Paulo (SP).

24478- Francisco de Siqueira. N. na Vila de Caminha, Portugal. Era irmão de Sebastião Gil, o Velho. Sertanista, tomou parte na bandeira de Nicolau Barreto ao Guairá, em 1602, e na de Lázaro da Costa ao sul brasileiro, em 1615. Exerceu cargos de confiança em São Paulo (SP), onde C. em 1629 c. Ana Pires de Medeiros. Pais de: Francisco Pires de Siqueira, Antônio, Mécia, Maria e Ana Maria de Siqueira.

24479- Ana Pires de Medeiros. N. em S. Paulo (SP), onde faleceu em 1668, com testamento. Segundo Pedro Taques, era viúva de Antônio Bicudo (fº de Vicente Bicudo e de Ana Luís) quando contraiu matrimônio c. Francisco de Siqueira, afirmação que não teve a concordância de Silva Leme.

24480- Henrique da Cunha. Amigo do Almirante Martim Afonso de Sousa, com quem passou a São Vicente em 1531. Segundo Silva Leme, "pertencia à ilustre casa dos Cunhas, os quais procedem pela linha reta masculina de Dom Fruela II, Rei de Leão, Astúrias e Galiza no ano de 923. C. em Portugal c. Felipa Gago, com quem teve os filhos: Isabel, Maria e Marta da Cunha, Henrique da Cunha Gago, o Velho, e João da Cunha Gago.

24481- Felipa Gago. Parente próxima de Antônio de Oliveira, Capitão-Mor Governador de São Vicente e Cavaleiro Fidalgo da Casa Real. Há em São Paulo (SP) um logradouro com o seu nome..

24482- Luís de Unhate.

24483- Maria Antunes.
.
24484- Antônio Vaz Guedes. N. na Freguesia de Mesão Frio, Concelho de Guimarães, Distrito de Braga, Portugal.

24485- Margarida Correia.

24486- Brás Cardoso. N. em Portugal.

24487- Francisca da Costa.

24492. Pedro de Moraes d`Antas. Após o falecimento de seu pai em 1600, solicitou ao Governador-Geral do Estado, Dom Francisco de Sousa, que lhe fossem guardados e cumpridos os privilégios, honras e liberdades que lhe competiam pelos instrumentos de seu defunto pai, sendo-lhe deferida uma provisão passada pela referida autoridade, reconhecida pelos tabeliães de São Paulo, Santos e São Vicente. C. c. Leonor Pedroso, com quem teve os seguintes filhos: Madalena Fernandes de Moraes, Capitão Pedro de Moraes Madureira, Paulo, Pascoal e Policarpo de Moraes. Pedro de Moraes d`Antas também teve dois filhos naturais: Damião de Moraes e Beatriz Rodrigues. Fal. em 1644 em S. Vicente (SP), com testamento.

24493- Leonor Pedroso. N. no Porto, Portugal. Fal. em 14-JUL-1636 em São Paulo (SP), com testamento.

24494. Francisco Ribeiro. N. em São Paulo (SP), onde foi celebrado o seu casamento com Maria de Moraes. Fal. em 1645.

24495. Maria de Moraes. N. em São Paulo (SP), onde faleceu em 1663.

24566. Francisco Bicudo de Siqueira. Faleceu em 1642.

24567. Maria Ribeiro. Faleceu em 1655, em Mogi das Cruzes (SP).

DÉCIMOS QUARTOS AVÓS:

46664. Nuno Alves d’Horta. Filho de Pedro d’Horta e Constança Loureira. N. em Setúbal, Portugal.

46665. Teresa Salema. Filha de Mem Gonçalves Salema e Inês Correia. N. em Setúbal, Portugal.

46666. Jerônimo Ferreira de Carvalho.

46667. Isabel de Figueiredo Magro.

46688. Antão Leme. N. por volta de 1500 em Funchal, lha da Madeira, Portugal, onde faleceu. Filho de Antônio Leme e Catarina de Barros.

46690- Fernando Dias Paes.

46694- Pedro Leme. V. nº 23344.

46695- Luzia Fernandes. Fal. em torno de 1560 em S. Vicente (SP).

46696. Jorge Furtado de Sousa. Fidalgo da Casa Real. Descendente dos Furtados, Correias e Sousas da Ilha da Madeira.

46697- Catarina Nunes Velho. Pentaneta de Álvaro Gil Cabral (trisavô de Pedro Álvares Cabral, o descobridor do Brasil, cujas cinzas se encontram guardadas na Paróquia de Nossa Senhora do Carmo da Antiga Sé, no Rio de Janeiro, RJ).

46702- Pedro Vicente. N. em Portugal.

46703- Maria de Faria. N. em Portugal.

46706- Garcia Rodrigues. N. no Porto, Portugal. Veio com a esposa e filhos para o Brasil por volta de 1540 em companhia de Martim Afonso de Sousa11, estabelecendo-se na Capitania de São Vicente. Participou das primeiras lutas com o gentio hostil do litoral e do interior do País. Exerceu cargos em Santo André (SP) e Piratininga (SP), onde residiu algum tempo, passando a residir em Santos (SP), onde fal. em 1590. Garcia Rodrigues e Isabel Velho tiveram os seguintes filhos: Maria Rodrigues, Isabel Velho, Domingos Rodrigues Velho, Padre Garcia Rodrigues Velho, Padre Gabriel Garcia, Padre Jorge Rodrigues, Francisco Rodrigues Velho, Antônio Rodrigues Velho, Mécia Rodrigues, Agostinha Rodrigues Velho e Isabel Rodrigues.

46707- Isabel Velho. N. no Porto, Portugal.

46710. Francisco de Chaves.

46711. ..... Fernandes. Filha de Cosme Fernandes e de uma indígena.

46718. Lopo Dias. N. em Portugal.

46719. Beatriz Dias. Filha do Cacique Tibiriçá e irmã de Bartira, que foi esposa de João Ramalho.

46728. Nuno Alves d’Horta. V. nº 46664.

46729. Teresa Salema. V. nº 46665.

46730. Jerônimo Ferreira de Carvalho. V. nº 46666.

46731. Isabel de Figueiredo Magro. V. nº 46667.

46752. Antão Leme. V. nº 46688.

46754. Fernando Dias Paes. V. nº 46690.

46758. Pedro Leme. V. nº 23344.

46759. Luzia Fernandes. V. nº 46695.

46760. Jorge Furtado de Sousa. V. nº 46696.

46761. Catarina Nunes Velho. V. nº 46697.

46766. Pedro Vicente. V. nº 46702.

46767. Maria de Faria. V. nº 46703.

46770. Garcia Rodrigues. V. nº 46706.

46771. Isabel Velho. V. nº 46707.

46774. Francisco de Chaves. V. nº 46710.

46775. ..... Fernandes. V. nº 46711.

46782. Lopo Dias. V. nº 46718.

46783. Beatriz Dias. V. nº 46719.

46784. João Pires, o Gago. N. no Porto, Portugal. Cavaleiro-Fidalgo. Veio para o Brasil com o filho Salvador Pires, como emigrado, acompanhando Martim Afonso de Sousa. Povoador de Santo André (SP), foi o 1º Juiz Ordinário da Vila. Uma carta de Duarte da Costa, encaminhada ao Rei de Portugal em 3-ABR-1553, informa que João Pires propôs refazer por sua conta o caminho de cinco a seis léguas que ligava São Vicente aos Campos de Piratininga, caso lhe perdoassem o crime de matar um escravo índio com golpes de açoite. Em 1555, foi Almotacel em Santo André.

46786- Garcia Rodrigues. V. nº 46706.

46787- Isabel Velho. V. nº 46707.

46788- Pascoal Fernandes. N. em Gênova, Itália.

46790- Antônio Rodrigues. N. em Portugal. Já se encontrava em S. Vicente quando Martim Afonso de Sousa ali desembarcou, em 1532. Segundo Pedro Taques, teria vindo com João Ramalho para o Brasil por volta de 1502. Consta, ainda, que teria sido um dos náufragos salvos, em 1503 ou 1508, nas imediações da Ilha dos Porcos, hoje localizada no Município de Ubatuba (SP). Era sócio de João Ramalho na venda de índios prisioneiros e nas pequenas indústrias de gêneros da terra. Com aquele povoador mantinha, também, pequenas feitorias, reabastecia navios em trânsito pela região e trocava seus produtos por artigos europeus de pouco valor. Viveu durante muitos anos no meio dos índios, tornando-se elemento da maior importância na colonização do Brasil. Vivia maritalmente (união posteriormente legitimada pela Igreja) com uma indígena que veio a ser batizada com o nome de Antônia Rodrigues. Recebeu, por sesmaria, as terras fronteiras ao porto Tumiaru, em São Vicente (SP).

46791- Antônia Rodrigues. Índia guaianá cristianizada.

46792. Bernardo Anes Soeiro de Alvarenga.

46796- João Ribeiro. N. em Portugal.

46800- Antão Leme. V. nº 46688.

46802- Fernando Dias Paes. V. nº 46690-

46806- Pedro Leme. V. nº 23344.

46807- Luzia Fernandes. V. nº 46696.

46808- Jorge Furtado de Sousa. V. nº 46696.

46809- Catarina Nunes Velho. V. nº 46697.

46814- Pedro Vicente. V. nº 46702.

46815- Maria de Faria. V. nº 46703.

46816. Jorge Nunes Botelho. Filho de Nuno Gonçalves Botelho e de Catarina Rodrigues Coutinho.

46817. Margarida de Travassos Velho Cabral. Filha de Gonçalo Velho Cabral (parente de pedro Álvares Cabral, o descobridor do Brasil) e de Catarina Alves de Benavidas.

46818. Fernão de Macedo. Irmão do Capitão Donatário da Ilha do Faial, Jobst van Heurter, nome corrompido pela pronúncia portuguesa para Jorge d’Ultra.

46819. Ana Gomes. Filha de Gonçalo Vaz Botelho e Margarida Pires.

46824. João do Rego Baldaia (ou João do Rego). Filho de Gaspar do Rego e de Maria Baldaia.

46825. ..... Beliago.

46826. Manoel Nunes Botelho. Filho de Diogo Nunes Botelho e de Isabel Tavares.

46827. Hilária de Lemos.

46828. Francisco de Arruda Costa. Filho de João Arruda da Costa e Catarina Favela. Conforme Gaspar Frutuoso, foi “homem de grande espírito, prudência, discrição e liberalidades, e lhe dava o caráter de pai da pátria: teve o foro de fidalgo da casa real e foi cavaleiro professo da ordem de Cristo, e que fora capitão-mor do socorro que levou da ilha de S. Miguel para a de Santa Maria no ano de 1576 com 200 homens de armas, sustentados à sua custa todo o tempo que se demorou com este socorro na ilha de Santa Maria, a favor do donatário dela – o Capitão Pedro Soares de Sousa, e que neste socorro levara consigo a seu genro João de Melo, mui nobre fidalgo, aquele que fora por parte da cidade de Ponta Delgada dar obediência a el-rei dom Felipe, o qual lhe mandou lançar o hábito da ordem de Cristo”.

46829. Francisca de Viveiros e Sousa. Filha de Gaspar de Viveiros.

46836. João Ribeiro. V. nº 46796.

46842. Salvador Pires. V. n]º11696.

46843. ..... de Brito.

46846. Garcia Rodrigues. V. nº 46706.

46847. Isabel Velho. V. nº 46707.

46904. Antônio Rodrigues. V. nº 23480.

46905. Maria Peres. V. nº 23481.

46906. João Maciel. Filho de Estevão Gil Tourinho e Beatriz Fernandes Maciel. V. nº 23482.

46907. Paula Camacho. Filha de Baltazar Nunes e de ..... Camacho. V. nº 23483.

46908. Domingos Luís. Filho de Lourenço Luís e de Leonor Domingues. V. nº 23484.

46909. Ana Camacho. Filha de Jerônimo Dias Cortes e ...... Camacho. V. nº 23485.

46910. Gaspar Vaz Guedes. Filho de Antônio Vaz Guedes e Margarida Correia. V. nº 12242.

49911. Francisca Cardoso. Filha de Brás Cardoso e Francisca da Costa. V. nº 12243.

49960. Domingos Luís. V. nº 23484 e nº 46908.

49961. Ana Camacho. V. nº 23485 e nº 46909.

46964. Estêvão Gil Tourinho. Filho de Gil Pires Tourinho e Branca Quezado. N. em Viana de Lima, Portugal. Filhos com Beatriz Fernandes Maciel: Brás, Maria e Ana Tourinho Maciel, o clérigo Gaspar Tourinho, Manoel Tourinho Maciel e João Maciel.

46965- Beatriz Fernandes Maciel. N. em Viana do Lima, Portugal. Filha de João Pires de Darque e Maria Anes Maciel.

456966- Baltazar Nunes. N. por volta de 1525. Filhos conhecidos: Gonçalo e Paula Camacho.

45068- ..... Camacho. N. por volta de 1538. Filha de Bartolomeu Camacho.

46968. Lourenço Luís. N. em Portugal.

46969- Leonor Domingues. N. em Portugal.

46970- Jerônimo Dias Cortes. Casou-se por volta de 1549 com uma filha de Bartolomeu Camacho e Catarina Ramalho.

46971- ..... Camacho. Filha de Bartolomeu Camacho e Catarina Ramalho.

46972. Antônio Vaz Guedes. V. nº 24484.

46973. Margarida Correia. V. nº 24485.

46974. Brás Cardoso. V. nº 24486.

46975. Francisca da Costa. V. nº 24487.

47038. Garcia Rodrigues. V. nº 46706.

47039. Isabel Velho. V. nº 46707.

47064. Jorge Furtado de Sousa. V. nº 46696.

47065. Catarina Nunes Velho. V. nº 46697.

Comentários

Acelino Carús Guedes  - 10/05/2011

Estou a busca de meus ancestrais da família abaixo, caso tenham alguma informação a respeito entrem em contato.






7º capitão MANOEL DA LUZ CUNHA natural de Santa Maria-RS, falecido em 1856, em Itaqui-RS, foi casado em 1827, na vila de Itaqui com 7º MARGARIDA NUNES DE SIQUEIRA.






Filha de: 8º Daniel Antônio da Silva, nascido em 1795, natural de Castro, atual Paraná, casado em 1820 em São Borja-RS, com 8º Maria Nunes de Siqueira, nascida em 1799, provavelmente em São Borja-RS.






Neta paterno de: : 9º José Antunes Maciel, foi casado com 9º Maria Francisca de Almeida eram residentes em Castro, nos Campos Gerais do Paraná.8º JOSÉ DA LUZ CUNHA natural de Castro, atual Paraná, casado com 8º ANGÉLICA MARIA DE JESUS ANTUNES MACIEL, residentes na estância “Bela Cruz”, no município de Itaqui-RS.






Filha de: 9º Paulina Maria Constança Antunes Maciel, irmã de 9º José Antunes Maciel, casado com 9º Maria Francisca de Almeida.




















Acelino Guedes  - 10/05/2011

Estou a busca de meus ancestrais da família abaixo, caso tenham alguma informação a respeito entrem em contato.


7º capitão MANOEL DA LUZ CUNHA natural de Santa Maria-RS, falecido em 1856, em Itaqui-RS, foi casado em 1827, na vila de Itaqui com 7º MARGARIDA NUNES DE SIQUEIRA.


Filha de: 8º Daniel Antônio da Silva, nascido em 1795, natural de Castro, atual Paraná, casado em 1820 em São Borja-RS, com 8º Maria Nunes de Siqueira, nascida em 1799, provavelmente em São Borja-RS.


Neta paterno de: : 9º José Antunes Maciel, foi casado com 9º Maria Francisca de Almeida eram residentes em Castro, nos Campos Gerais do Paraná.8º JOSÉ DA LUZ CUNHA natural de Castro, atual Paraná, casado com 8º ANGÉLICA MARIA DE JESUS ANTUNES MACIEL, residentes na estância “Bela Cruz”, no município de Itaqui-RS.


Filha de: 9º Paulina Maria Constança Antunes Maciel, irmã de 9º José Antunes Maciel, casado com 9º Maria Francisca de Almeida.








Acelino Guedes  - 10/05/2011

Estou a busca de meus ancestrais da família abaixo, caso tenham alguma informação a respeito entrem em contato.
7º capitão MANOEL DA LUZ CUNHA natural de Santa Maria-RS, falecido em 1856, em Itaqui-RS, foi casado em 1827, na vila de Itaqui com 7º MARGARIDA NUNES DE SIQUEIRA.
Filha de: 8º Daniel Antônio da Silva, nascido em 1795, natural de Castro, atual Paraná, casado em 1820 em São Borja-RS, com 8º Maria Nunes de Siqueira, nascida em 1799, provavelmente em São Borja-RS.
Neta paterno de: : 9º José Antunes Maciel, foi casado com 9º Maria Francisca de Almeida eram residentes em Castro, nos Campos Gerais do Paraná.8º JOSÉ DA LUZ CUNHA natural de Castro, atual Paraná, casado com 8º ANGÉLICA MARIA DE JESUS ANTUNES MACIEL, residentes na estância “Bela Cruz”, no município de Itaqui-RS.
Filha de: 9º Paulina Maria Constança Antunes Maciel, irmã de 9º José Antunes Maciel, casado com 9º Maria Francisca de Almeida.


Osanah Rodrigues Setúval  - 13/02/2011

São Paulo toda descende de Leonardo Rodrigues Setuval. Isso mesmo: Setuval sem acento. Já pesquisei sobre Leonardo na genealiogia paulistana, e seu nome, fotocopiado de documentos de época, sempre foi Setuval. Naquela época, a hoje cidade de Setúbal, em Portugal, era Setuval. Portanto, nomes e sobrenomes de pessoas se escreve conforme estão nos registro iniciais, sob pena de desqualificar as pesquisas. Exemplos: os Paes Leme de hoje, descendem do sobrenome LEM.

O que você achou deste texto?       Nome:     Mail:    

Comente: 
Informe o código de segurança:          CAPTCHA Image                              

De sua nota para este Texto Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui